17/03/2017 16h18 - Atualizado em 17/03/2017 16h42
O que há de errado com o mundo?
Hoje eu recebi, num grupo de Whatsapp, uma mensagem que mexeu com meus neurônios o dia todo. Agora que o dia termina e vem a hora de descansar, depois de muitos afazeres, ele me voltou à mente e fui reler. Ao fazer isso, percebi que era preciso compartilhar, porque foi há tempos escrito e ainda é tão dolorosamente atual... Segundo nos foi informado, "Chesterton escreve sobre certa lei inglesa que pretendia obrigar as crianças pobres rasparem a cabeça para evitar surtos de piolhos e outras doenças". Chesterton assim argumenta:
 
"Com uma faísca da cabeleira ruiva de uma garota de rua, atearei fogo na civilizacão moderna inteira. Porque se uma garota precisa ter cabelos longos, ela precisa ter cabelos limpos. Para te-los limpos, não pode ter uma casa suja. Para não ter uma casa suja, ela precisa ter uma mãe livre e desocupada. Para ter uma mãe livre, não podem ter um senhorio usuário. Para que o senhorio não seja usuário, é preciso de uma redistribuição de propriedade. E para tanto será preciso uma revolução?
 
Aquela garota maltrapilha de ruiva cabeleira – que acabo de ver vagando junto a minha casa – não será aparada, mutilada ou alterada. Seu cabelo não será cortado curto como o de um condenado. Não! Todos os reinos da terra serão talhados e mutilados para a ela se adaptarem. Os ventos do mundo serão temperados para esse cordeiro não tosquiado. Todas as coroas que não couberem em sua cabeça serão quebradas. Todo o traje e toda a construção que não estiver em harmonia com sua glória serão jogados fora. 
 
Pode ser que a mãe a proíba de prender o cabelo, pois a mãe é uma autoridade natural. Mas o Imperador do Planeta não ousará impor-lhe tal proibição. Ela é a imagem humana e sagrada. Ao seu redor, a estrutura social irão inclinar-se, trincar e cair. Os pilares da sociedade estremecerão e os telhados dos tempos desmoronarão. E nenhum fio de cabelo de sua cabeça será prejudicado". (Em: O que há de errado com o mundo).


Comentários: