16/11/2017 11h04
PRISÃO SAUDÁVEL
Por Pedro Valls Feu Rosa

João Valjão, um típico brasileiro, nasceu e cresceu em uma pequena cidade do interior, cuja população não passava dos dez mil habitantes. Era uma daquelas localidades pacatas, isoladas dos graves problemas que atormentam as metrópoles. Ao longo de sua juventude, João foi se integrando àquela comunidade, na qual esperava trabalhar e viver o restante de sua existência.

Aconteceu, no entanto, um imprevisto: dado dia, ‘com a cabeça cheia de cachaça’, João envolveu-se em uma ‘briga de bar’ e acabou por ferir, de forma grave, seu oponente – aliás, um amigo de infância! Nas origens deste crime, além do álcool, uma prosaica discussão sobre futebol.

Como não poderia deixar de ser, João foi imediatamente levado à Delegacia de Polícia, na qual permaneceu detido. Sua família, avisada, para lá acorreu, buscando a um só tempo repreendê-lo e prestar-lhe assistência.

No dia seguinte, por conta de que delegacias não são prisões, João foi transferido. Sacolejando a bordo do ‘cofre’ de uma viatura, após amargar umas quatro horas de suplício, chegou a um presídio estadual – desses situados nas periferias das grandes cidades.

João não era, evidentemente, filiado a nenhuma daquelas facções do crime organizado que comandam nossas maiores prisões – era apenas um ‘jeca’. Nesta qualidade, foi alvo das maiores humilhações e violências.

Com o passar do tempo, a lembrança dos pais ia se tornando algo cada vez mais distante – afinal, eles eram pobres e não tinham como deslocar-se com frequência. Foi quando João passou a ser influenciado por uma nova ‘família’: os ‘irmãos’ de uma facção criminosa.

Após um ano de ‘aprendizado’, ei-lo de volta às ruas. Já incompatibilizado com a rotina simples do interior, decidiu ficar pela ‘cidade grande’ com os ‘irmãos’. Em pouco tempo, durante um assalto, mataria… um parente seu!

Este caso, que acontece aos milhares pelo Brasil afora, poderia ter tido um desfecho diferente. Bastava que João tivesse sido punido lá no interior, perto de sua família. Simples assim.

É quando, não sem alegria, saudamos a tramitação, pelo Congresso Nacional, de proposta permitindo aos municípios a construção de prisões destinadas ao recolhimento de condenados locais – o que já ocorre, por exemplo, nos EUA. Nossos parabéns ao Deputado Laudivio Carvalho, autor da proposta.



Comentários: