15/05/2018 12h03
Insônia II
Sou amigo da madrugada. Instigante, sombria e cheia.
Cheia de lembranças, de sonhos e de gente inquieta. Cheia de vazios a serem preenchidos.
Pensamentos logo me vêm à mente.
Madrugada insistente. Insiste em ir embora e me deixar sozinho. 
O sol apaga a treva com a claridade do dia, mas não apaga as lembranças pungentes da noite que passou. 
Amores calados, amantes salientes e desavergonhados. Estão vivos na madrugada quem ousa se permitir. 
De novo a madrugada vem e me encontra esperando com o coração partido, ouvindo trilhas sonoras deprimentes pelo fone de ouvido. Amores desfalecidos são ressuscitados nas memórias mais remotas, fazendo bater uma saudade.
Os depoimentos de conversões que a TV me apresenta tornam a madrugada mais deprimente. Felicidade a troco de dinheiro; dai tudo que tendes e receberás medida transbordante e abençoada. Puro chamariz para sonhadores carentes e fracos, dispostos a comprar a felicidade a dez por cento. Eletroeletrônicos desnecessários desafiam meu desejo consumista. Fé e futilidade no mesmo patamar.
De repente, a madrugada fica feliz, melodiosa, envolta em músicas de décadas passadas. Aos poucos me vejo dançando, meu corpo e a madrugada são um só. Lembro-me das noitadas animadas que me fizeram pegar o gosto por coisas erradas das quais algumas delas me arrependi amargamente, mas vivi.
Pego a caneta e um papel, escrevo palavras aleatórias, psicografias da minha mente perturbada. As palavras falam comigo. Dizem-me coisas que já sei e algumas que acabo de descobrir. Registro as ideias ensandecidas, guardo-as numa gaveta. Reflexões e reflexões que povoam a minha mente e, por elas deixo-me conduzir.
Caminho pela noite à luz de postes públicos, as ideias ainda me vem à cabeça. Caminho sem rumo dentro de mim, com os pés na calçada fria.
Amanheceres em praias semidesertas sobre a minha pele salpicada de areia e saudade. Nunca foi tão linda a madrugada.
Madrugada com gosto de eternidade.
Sou madrugada e, em mim, escondem apagados os anseios e receios de um novo dia. Novos dias que irão e que virão novamente, insistentes.
Que as noites e os dias venham sempre gentis e que eu adentre pela madrugada aberto para ser repleto de tantas sensações e sentimentos. Que o silêncio e a solidão sejam meus companheiros e me ensinem coisas.


Comentários: