Elton Roza - 23/10/2014 14h22 - Atualizado em 27/10/2014 16h48
PT x PSDB: Uma disputa de pobres contra ricos
Mais uma campanha está aí e o que se vê é a polarização entre PSDB e PT sendo tratada como uma disputa entre ricos e pobres.

O cenário de 2014 voltou a colocar em evidência, no palanque do PSDB, a figura do ex-presidente Fernando Henrique. Escondido pelas campanhas dos ex-candidatos Geraldo Alckmin (2006) e José Serra (2010), o último tucano a ocupar o Palácio do Planalto passou a ter voz ativa na campanha de Aécio Neves. Mas o partido, ao que parece, tampou os ouvidos para um conselho repetido por ele nos últimos anos: o PSDB precisa se aproximar do povo.

A primeira vez em que FHC advertiu os aliados da necessidade de “popularizar” a legenda foi em 2006, a reboque da reeleição de Lula. Na ocasião, disse que “o PSDB não pode deixar passar essa ideia de que não nos preocupamos com o povo”. Em 2011, com mais uma derrota, o presidente de honra dos tucanos foi até mais enfático: “Precisamos estar mais próximos das pessoas, do povo, com menos pompa”.

Em vão. Mais uma campanha está aí e o que se vê é a polarização entre PSDB e PT sendo tratada como uma disputa entre ricos e pobres. Prova disso é que a última pesquisa do Instituto Datafolha constatou que, para 56% das pessoas, Aécio é o candidato que defenderá os mais ricos. Quando questionados sobre quem é mais capaz de defender os pobres, 57% mencionaram Dilma Rousseff.

Só 17% das pessoas veem em Dilma alguém que fará a defesa dos mais endinheirados, enquanto outros 26% acreditam que Aécio agirá em defesa dos desvalidos. Os números evidenciam o maior abismo que há entre os presidenciáveis, que chegam a esta última semana de campanha sem a certeza de quem vencerá a eleição: os rótulos de eleições passadas perduram.

No quesito “quem é o mais preparado” para enfrentar desafios em áreas essenciais para o país, Aécio e Dilma se aproximam. Para cuidar da saúde, Aécio é apontado como melhor por 41%; Dilma, por 40%. Na educação, a petista é vista como melhor por 44% das pessoas, ao passo que o tucano é citado por 40%. 

Nem na área econômica, onde historicamente PT e PSDB divergem, Dilma e Aécio são vistos como tão diferentes. Segundo o Datafolha, 44% das pessoas consideram ela a mais preparada para manter a estabilidade financeira do Brasil, enquanto 40% preferem o adversário. 

Fato é que o PT, usando de seus programas sociais, sabe explorar, com eficácia, a imagem de que defende os fracos e oprimidos. Aconselhado a se popularizar o PSDB foi, tanto que nesta campanha passou a reivindicar a paternidade do Bolsa-Família. Talvez a ficha tenha caído um pouco tarde, pois, mesmo que Aécio vença, não poderá sair das urnas dizendo que encarnou o típico candidato do “povão”.

Nas duas maiores cidades comandadas pelo PT no Estado, Colatina e Cachoeiro de Itapemirim, materiais de campanha de Aécio levam vantagem sobre a campanha de Dilma.

“Marina será sempre uma protagonista no páreo presidencial” – Walter Feldmann, ex-deputado federal, sobre o futuro político de Marina Silva e possível cenário em 2018.



Gazeta Online
Comentários: