Kaio Humberto - 10/01/2017 09h14
Romário faz cirurgia polêmica para reduzir diabetes e perde dez quilos
"Minha diabetes chegou a 400, então eu decidi fazer essa cirurgia com o doutor Ludovico. Perdi uns 10 quilos. Estava com quase 80 quilos e hoje estou com 70, 69", contou o Baixinho
A nova silhueta do senador Romário, que perdeu dez quilos em 45 dias, roubou a atenção durante uma partida de futevôlei, no torneio Desafio das Estrelas, no último sábado, na praia da Barra da Tijuca. Os 70 quilos recém-adquiridos não foram produto de uma dieta ou da prática de esportes, mas de uma cirurgia para reduzir o diabetes, chamada interposição ileal. O procedimento, porém, é visto com cautela por endocrinologistas.
 
“Minha diabetes chegou a 400, então eu decidi fazer essa cirurgia com o doutor Ludovico. Perdi uns 10 quilos. Estava com quase 80 quilos e hoje estou com 70, 69”, contou o Baixinho ao Globo Esporte. O ex-jogador foi operado pelo médico goiano Áureo Ludovico de Paula, que é apontado como o idealizador da cirurgia.
 
— A interposição ileal é considerada experimental quando o paciente tem o Índice de Massa Corporal menor que 35. Com 1,69 metro de altura, o Romário precisaria pesar 100 quilos para realizá-la. Na teoria, existe base para que essa cirurgia funcione, o problema é que ela foi pouco estudada até agora — explica Márcio Mancini, membro do Departamento de Obesidade da Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia (SBEM).
 
A cirurgia tem como objetivo reduzir o diabetes Tipo 2, mais comum em adultos e associado a algum grau de sobrepeso ou obesidade. Segundo Mancini, o hormônio insulina é produzido pelo corpo, mas não funciona bem e não regula direito a entrada de glicose nas células.
 
Médica prefere tratar doença com remédios
 
A endocrinologista Anna Gabriela Fuks, do hospital Copa D’Or, prefere tratar o diabetes com medicamentos, entre eles dois que chegaram ao mercado há pouco.
 
— Tem uma injeção subcutânea, que é um análogo do hormônio intestinal, e uma medicação que age no rim fazendo o paciente expelir uma quantidade maior de glicose. Os dois ajudam a perder peso também — afirma.
 
A médica explica ainda que a cirurgia pode ter efeitos colaterais, como a diminuição na absorção de nutrientes. Mancini acrescenta que a falta da absorção de cálcio pode gerar perda de massa óssea ao paciente.
 
— O Romário vai ter que tomar complexos vitamínicos para o resto da vida. Também terá que fazer exames com regularidade para monitorar os nutrientes e a glicose — diz o endocrinologista.
 
Os médicos não fecham a porta para uma popularização da cirurgia do Baixinho no futuro, mas relembram que é preciso estudar.
 
— Com o passar dos anos, vamos ter mais experiência. Hoje, não é o tratamento indicado — garante Fuks.


Gazeta Online
Comentários: