Folha do ES
Qua, 8 de Abr
HECI Páscoa

.Home     Colunistas     Usiel Carneiro de Souza

A ORAÇÃO DO FARISEU (PARTE 1)


Usiel Carneiro de Souza

Usiel Carneiro de Souza

Usiel Carneiro de Souza Teólogo e Administrador de Empresas

Ver todos os artigos

  22.janeiro.2020

“O fariseu, em pé, orava no íntimo: Deus, eu te agradeço porque não sou como os outros homens: ladrões, corruptos, adúlteros; nem mesmo como este publicano.” (Lucas 18.11)


O fariseu foi ao templo orar. Há uma série de pressupostos que eram claros para os primeiros ouvintes da parábola de Jesus e que para nós, talvez não. Jesus começou a parábola dizendo que “dois homens subiram ao templo para orar”. Certamente tratava-se da hora em que os homens se dirigiam para o momento diário de oração. Em Atos 3 temos o relato de Lucas de um momento desses. Ele diz que Pedro e João estavam “subindo ao templo à hora da oração”, e acrescenta, às três da tarde (At 3.1). Bem certamente os ouvintes entenderam que se tratava desse momento em que um fariseu e um publicano estavam indo ao templo orar. A cena era comum a eles. Talvez o estranho tenha sido Jesus dizer que, além do fariseu, um publicano também estivesse indo. Jesus segue com a parábola e fala sobre a oração do fariseu.

O modo como Jesus coloca o fariseu orando, em pé, dá ideia de uma atitude confiante, segura. Ele ora em seu íntimo. Era uma oração com palavras de gratidão. Mas, se ouvida com mais cuidado, revela-se uma oração de orgulho e vaidade. Ele está satisfeito consigo mesmo e parece acreditar que Deus também esteja. Ele fala de si mesmo a Deus, como sendo o tipo de pessoa certa, a quem Deus sem dúvida diria: bem está servo bom e fiel. Suas palavras revelam que ele se sentia diferente, uma pessoa a parte das demais. Pessoas cheias de pecado e que nada tinham a ver com ele. Especialmente o publicano, que talvez nem devesse estar ali. Ele está cheio de si mesmo, por isso embora fale de gratidão, na verdade a oração que faz é um discurso de auto exaltação. Lembremos: Jesus estava contando a parábola a “alguns que confiavam em sua própria justiça e desprezavam os outros” (Lc 18.9). Jesus estava expondo o coração deles. A oração do fariseu, falava de seus corações.

Jesus conhecia o coração deles, e conhece o nosso. E quando oramos, é importante entender, o nosso coração fala mais alto que as nossas palavras. Talvez jamais tenhamos a atitude de orar como o fariseu, mas devemos ter cuidado para que não vivermos cheios de nós mesmos. Pois se for assim, desprezaremos os outros e seremos reprovados por Deus. Seremos como as pessoas a quem Jesus contou a parábola. O orgulho, a presunção, leva-nos a ver o pior nos outros e a ser cegos a respeito de nós mesmos. O orgulho nos afasta das pessoas e nos distancia de Deus. Jesus combateu esse pecado na vida dos seus discípulos muitas vezes. Qualquer deles que desejasse ser o primeiro, deveria assumir a condição de servo de todos os outros (Mt 20.26). Ao perceber o anseio em seus corações por glória, Jesus colou uma criança diante deles e pediu-lhes que se fizessem como ela (Mc 9.36). Não é fácil ter consciência do próprio orgulho. Mas devemos ter cuidado, pois Deus resiste aos orgulhosos, mas concede graça aos humildes (Tg 4.6).

Comentários Facebook


Enquete


Em qual desses candidatos você votaria para Presidente da República em 2022?

  Votar   Ver resultado

Facebook


Newsletter


Inscreva-se no boletim informativo da Folha do ES para obter suas atualizações e novidades semanais diretamente em seu e-mail.

© 2020 Folha do ES. Todos os direitos reservados.