Folha do ES
Qua, 8 de Abr
HECI Páscoa

.Home     Colunistas     Usiel Carneiro de Souza

UMA JUSTIÇA SUPERIOR


Usiel Carneiro de Souza

Usiel Carneiro de Souza

Usiel Carneiro de Souza Teólogo e Administrador de Empresas

Ver todos os artigos

  11.fevereiro.2020

Há uma justiça que podemos produzir, capaz de atender ao olhar humano. Uma justiça superficial e das aparências. Ela não atende ao Reino de Deus. Nele não servem superficialidades. Nele o amor é inegociável e a retidão é mais do que não fazer uma coisa errada. No capítulo 23 do Evangelho de Mateus Jesus analisa a justiça dos fariseus e mestres da Lei, e expõe seus enganos. Eles colocavam exigências pesadas sobre as pessoas, exigências que eles mesmos não conseguiam cumprir. Tinham prazer em dominar as pessoas e de estarem em evidência. Achavam-se superiores aos demais. Por isso Jesus lhes disse: “Vocês fecham o Reino dos céus diante dos homens. Não entram e os impedem de entrar” (Mt 23.13). Fechavam, porque eram legalistas e ensinavam um relacionamento com Deus baseado no mérito e na observância de regras e leis, desprezando a graça e a misericórdia. Jesus disse que a piedade deles era pura aparência. Eram zelosos ao observar regras e maldosos ao lidar com pessoas. Eram líderes que buscavam seguidores para si mesmos e não para Deus.

Eles se orgulhavam de fazer suas ofertas em observância à lei, de praticarem os rituais de purificação, de observarem com rigidez o sábado. Mas não sabiam amar, não eram humildes e não entendiam o sentido do que faziam. Por isso Jesus lhes disse: “Ai de vocês, mestres da lei e fariseus, hipócritas! Vocês dão o dízimo da hortelã, do endro e do cominho, mas têm negligenciado os preceitos mais importantes da lei: a justiça, a misericórdia e a fidelidade.” (Mt 23.23-24) Coavam mosquitos e engoliam camelos, ignorando o mais importante, o que deveria vir primeiro. Nas palavras de Jesus, eram sepulcros caiados, limpos por fora e podres por dentro, tendo o coração cheio de hipocrisia e maldade. Infelizmente estamos sujeitos ao mesmo comportamento. Corremos o risco de sermos bons em liturgias e um fracasso no dever de amar, servir, perdoar e cuidar. Corremos o risco de valorizar mais coisas que pessoas, faltando-lhes com o respeito, o amor e a bondade que jamais poderiam faltar.

Conta-se que certo dia um garoto procurou o pastor e pediu permissão para que ele e sua família se mudassem para o prédio onde a igreja funcionava. Achando estranho o pedido e também curioso, o pastor perguntou a razão. O menino então explicou que era porque seu pai era muito bom quando eles estavam no templo, mas não era a mesma pessoa quando chegava em casa. Nosso desafio não é viver a fé em Cristo dentro do templo, não é adorar no momento dos cânticos, não é sentir a presença de Deus durante o culto. Nosso desafio é revelar o sentido de tudo isso no dia a dia, nos lugares comuns, nos dias da semana e dentro de casa. Nosso desafio é viver uma espiritualidade que se espalhe para cada canto de nossa vida e nos leve a revelar, com atitudes, que fomos alcançados, amados, perdoados e reconciliados com Deus. Que suas atitudes revelem que sua fé está firmada em Jesus e sua vida envolvida pelo Reino de Deus. Que você revele uma justiça muito superior à dos escribas e fariseus.

Comentários Facebook


Enquete


Em qual desses candidatos você votaria para Presidente da República em 2022?

  Votar   Ver resultado

Facebook


Newsletter


Inscreva-se no boletim informativo da Folha do ES para obter suas atualizações e novidades semanais diretamente em seu e-mail.

© 2020 Folha do ES. Todos os direitos reservados.