Folha do ES
Dom, 15 de Dez

.Home     Colunistas     Armando Fontoura

A panela de caranguejo do ES


Armando Fontoura

Armando Fontoura

Empresário, jornalista e ativista político no Espírito Santo

Ver todos os artigos

  24.novembro.2019

Muito li e ouvi sobre a baixa representatividade do ES nas grandes mesas de decisões federais. A imprensa capixaba há tempos cobra - e com razão - melhor posicionamento dos capixabas no cenário federal.

Entretanto, percebo claramente que, apesar da legítima cobrança, o viés da “panela de caranguejo” também faz a imprensa capixaba refém desse traço cultural.

A metáfora da panela de caranguejo é famosa: quando um está prestes a sair, os demais puxam para dentro novamente.

É isso o que tenho observado: a imprensa local não tem valorizado os quadros capixabas em destaque no plano federal. Há um conflito entre a liberdade-dever de imprensa x panela de caranguejo. Essa contradição fica muito evidente quando se percebe a divulgação de fatos sem interesse público ou de menor relevância, voltados a um comportamento provinciano, que coloca em segundo plano situações de dimensão muito superior fora do ES.

Essa dicotomia é interessante: a imprensa cobra o devido destaque federal do ES nos núcleos de poder federal e quando um capixaba é alçado em destaque, tem-se a impressão de que passa a ser visto não mais como a presença do ES, mas somente como pessoa física. Se for agente político, pior ainda. E como tal, não deve ter divulgação fática de seu trabalho ou posição, sobretudo se divergir politicamente do poder local que absorve a atenção da imprensa.

A panela de caranguejo atrasa e apequena o ES, porque semeia autofagia contra os próprios fatos favoráveis ao Estado. Evidentemente que não cabe à imprensa elogiar, jamais. Mas divulgar os fatos com equilíbrio e imparcialidade, ainda que com espírito crítico, é tanto uma liberdade quanto um dever para com a sociedade.

Independentemente das convicções políticas e pessoais do veículo e dos jornalistas, fato é fato. E com eles ninguém pode brigar. Um capixaba que ganha assento à mesa de decisões federais passa a ser dotado de institucionalidade e suas realizações são em decorrência da Instituição. Simbolicamente, é a presença do ES no núcleo de decisões dos rumos do país.

Talvez a luta política regional acentue o traço cultural da panela de caranguejo no âmbito da imprensa. Por isso, percebe-se que fora do ES capixabas em destaques são mais festejados e celebrados em suas realizações do que na própria terra. Mas isso não justifica a desvalorização dos “produtos da terra”, até porque a cobrança por destaque federal capixaba sempre foi uma constante da própria imprensa local.

Não devo me estender para não tornar o texto cansativo. O objetivo aqui não é criticar, mas propor uma reflexão conceitual para o amadurecimento da instituição “imprensa”.

Comentários Facebook


Enquete


Você aprova ou desaprova o Governo de Renato Casagrande?

  Votar   Ver resultado

Facebook


Newsletter


Inscreva-se no boletim informativo da Folha do ES para obter suas atualizações e novidades semanais diretamente em seu e-mail.

© 2019 Folha do ES. Todos os direitos reservados.