Folha do ES
Sáb, 6 de Mar

.Home     Colunistas     Diego Ramon

O que esperar de Marataízes para os próximos anos?


Diego Ramon

Diego Ramon

Bacharel em Turismo pela pela Universidade Federal de Ouro Preto (UFOP), com experiências profissionais no setor privado e público

Ver todos os artigos

  01.outubro.2020

Evidentemente que todo cidadão espera que sua cidade prospere cada vez mais. Todavia é importante definir objetivos e prospecções reais, com responsabilidade de todos os envolvidos, tanto o poder público como o setor privado.

Essa discussão precisa ser apreciada por todos, principalmente no debate político, visto que, para os próximos anos é promissor a possibilidade de crescimento econômico da região. Seja pelo investimento privado, oriundo principalmente do Porto Central de Presidente Kennedy, ou seja, pelo crescimento e constância de receitas públicas recebidas pela exploração de petróleo na região.

Em Marataízes já é visível a diminuição da sazonalidade da população, se antes era durante o “verão” que a estrutura da cidade era mais utilizada, hoje essa característica foi diluída por todo o ano, tendo seus ápices nos eventos de réveillon e carnaval.

Diante disso pode-se concluir que Marataízes já passou por sua primeira transformação, de uma simples cidade de veraneio, para uma cidade em franco crescimento estrutural e populacional. Segundo dados do IBGE, Marataízes é 5ª cidade do estado do Espírito Santo com maior densidade demográfica, chegando a 256,55 hab/km², perdendo apenas para os municípios da grande Vitória (Serra, Vila Velha, Cariacica e Vitória).

E este dado é imprescindível para talvez responder a questão:

- “O que esperar de Marataízes para os próximos anos?”.

Pois se já há uma alta densidade demográfica é preciso atentar para os impactos populacionais que possam surgir da eminente inauguração do Porto Central em Presidente Kennedy, visto que Marataízes é a cidade da região que atualmente possui mais condições de receber os trabalhadores diretos e indiretos dessa corporação – bem como as demais pessoas interessadas em uma oportunidade de trabalho, que migrarão para essa região – com meios de hospedagem, restaurantes, comércio em geral, entre outros. O aumento populacional desorganizado pode acarretar em falhas no sistema público de serviços, bem como em sobrecarga na capacidade estrutural da cidade.

Outra questão é que apesar de termos uma alta densidade demográfica, nosso município não apresenta uma boa relação da população ocupada (pessoas com trabalho), atingindo a posição 39 de 78 no estado do Espírito Santo, com apenas 16% da população ocupada, com salário médio de 2 salários mínimos (IBGE).

Enfim, esperar que Marataízes crescerá é ignorar sua atual e constante fase de crescimento, torna-se iminente agora aprimorar este crescimento, considerando as variáveis, como as já citadas neste artigo, atentando principalmente para a renda da população, sendo esse um fator essencial para a sua liberdade. E assim é possível esperar que Marataízes se desenvolva cada vez mais, tornando-se referência na região sul do estado, todavia isso só se tornará possível com a cooperação entre o meio público estruturando a cidade e implementado mais liberdade econômica, além de educação básica e técnica de qualidade; o meio privado com investimentos em nossa localidade; e a população marataizense com empenho, estudo e muito trabalho para não deixar essa oportunidade passar.

Comentários Facebook


Enquete


Você é a favor do tratamento precoce com Ivermectina?

  Votar   Ver resultado

Facebook


Newsletter


Inscreva-se no boletim informativo da Folha do ES para obter suas atualizações e novidades semanais diretamente em seu e-mail.

© 2021 Folha do ES. Todos os direitos reservados.