Folha do ES
Dom, 7 de Ago
32 ANOS DA FOLHA DO ES

.Home     Colunistas     Gilber Rubim Rangel

Patronos e Patronesses das Escolas de Cachoeiro – Parte 1


 Gilber Rubim Rangel

Gilber Rubim Rangel

Advogado pós-graduado em Direito Civil e Direito do Trabalho. Pesquisador e genealogista associado do IHGES, CEGH, IHGGS e ABRASP.

Ver todos os artigos

  25.junho.2022

A partir de hoje antecipo no Jornal FOLHA DO ES o que será disponibilizado no Facebook, página “Patronos das Escolas Públicas do Espírito Santo”, e em um livro com este mesmo título, que é a devida e merecida homenagem aos patronos e patronesses das escolas públicas de cada um dos setenta e oito municípios capixabas, com a apresentação de pequenas biografias das personalidades que dão nome a estas instituições.

Aqui a homenagem será aos patronos e as patronesses das escolas do município de Cachoeiro de Itapemirim, cujo sistema de ensino tem um total de 124 escolas, sendo: 80 municipais, 26 estaduais e 18 particulares.

A homenagem é merecida não somente pelo que estes patronos/patronesses fizerem em vida pela escola, pelo município, pelo estado ou pelo país, mas também porque o estudante que frequenta por anos uma destas unidades escolares não sabe quem foi à pessoa que dá nome a sua escola. O mesmo vale para os pais destes alunos e para a comunidade em geral.

AGOSTINHO SIMONATO Homenageado pelo município de Cachoeiro de Itapemirim, que deu seu nome a um bairro (Lei Munic. nº 1.952, de 2/5/1978). E, pelo estado do Espírito Santo, com o patronato da escola no bairro Jardim América, da mesma cidade. A partir do ano 2000, a escola passou a se chamar “EEEFM Agostinho Simonato”, de ensino regular e integral, vinculada a SRE Cachoeiro de Itapemirim.

AMÉLIA TOLEDO DO ROSÁRIO Professora e pianista. Casou-se com Arthur Nebias Paraguassú do Rosário. Teve pelo menos uma filha. Quintiliana. Integrou a comissão de exames das escolas primárias (1886) e foi diretora da Escola municipal do sexo feminino por dezenove anos (1891-1910), ambas em Cachoeiro de Itapemirim. Foi também, em sociedade com seu marido, proprietária do “Colégio Coração de Jesus” de ensino primário e secundário (1898-1917). Homenageada pelo estado do Espírito Santo, que em 1952 deu seu nome a antiga “Escola Reunida Córrego dos Monos”, “ex-Escola Singular”, criada em 1940, no distrito do mesmo nome, em Cachoeiro de Itapemirim. A partir do ano 2000 passou a denominar-se “EEEF Profª Amélia Toledo do Rosário”, de ensino regular e vinculada a SRE da mesma cidade (Decreto 744/1952 e 137/1963).

ÁTTILA DE ALMEIDA MIRANDA (Vivo em 1914) Teve pelo menos uma filha: Alcides. Foi membro do conselho de administração da “Cooperativa de Laticínios de Cachoeiro de Itapemirim Ltda” (1948). Homenageado pelo estado do Espírito Santo, que em 1980 deu seu nome ao antigo “Centro Interescolar do Bairro Vila Rica”, em Cachoeiro de Itapemirim. Atualmente denominado “EEEM CEI Áttila de Almeida Miranda”, de ensino regular e integral, vinculado a SRE da mesma cidade (Leis nº 3.336/1980 e 10.975/2019).

BERNARDINO DE SOUZA MONTEIRO (“Bernardino Monteiro”) (1864-1930) Político e proprietário rural. Nasceu em Cachoeiro de Itapemirim e faleceu no Rio de Janeiro-RJ, aos sessenta e cinco anos. Filho de Francisco de Sousa Monteiro e de Henriqueta Rios de Sousa. Casou-se com Iná Goulart. Genro de Gil Goulart, senador da república (1915-1917). Assim como os seus pais, teve onze filhos, dentre eles Nelson Goulart Monteiro, deputado estadual (1926-1936), secretário de governo e deputado federal em duas legislaturas. Irmão de Jerônimo de Souza Monteiro (“Jerônimo Monteiro”), deputado estadual (1895-1897, 1913-1915), deputado federal (1915-1917) e presidente do estado. Foi conselheiro municipal em Cachoeiro de Itapemirim (1896-1904, 1908-1912), deputado estadual (1907-1910), presidente do estado (1916-1920) e senador da república (1920-1930). Homenageado pelo município de Cachoeiro de Itapemirim, que seu nome a uma rua no centro da cidade. E, pelo estado do Espírito Santo, em 1913 com o patronato do segundo “Grupo Escolar” do estado, e primeiro em prédio próprio, no bairro Amarelo, em Cachoeiro de Itapemirim. Atualmente denominado de “EEEFM Bernardino Monteiro”, de ensino regular e vinculado SRE da mesma cidade.

Até a próxima.

Solicito aos leitores que auxiliem na construção destas homenagens, enviando fotos e/ou outras informações que tenham sobre estes e de outros patronos para o e-mail: [email protected] .

Comentários Facebook


Enquete


Você é a favor ou contra o passaporte de vacina obrigatório?

  Votar   Ver resultado

Facebook


Newsletter


Inscreva-se no boletim informativo da Folha do ES para obter suas atualizações e novidades semanais diretamente em seu e-mail.

© 2022 Folha do ES. Todos os direitos reservados.