Folha do ES
Qua, 30 de Set

.Home     Colunistas     JÚLIO CÉSAR CARDOSO

Dom Quixote do Planalto


JÚLIO CÉSAR CARDOSO

JÚLIO CÉSAR CARDOSO

JÚLIO CÉSAR CARDOSOé servidor público federal aposentado (Banco Central do Brasil) e temformação deBacharel em Direito

Ver todos os artigos

  15.setembro.2020

De forma incorrigível, as recaídas do presidente Jair Bolsonaro ao criticar prefeitos e governadores já se tornaram a marca de seu governo. Bolsonaro se esquece de que no Estado Democrático de Direito as questões devem ser resolvidas de comum acordo e não prevalecendo sua maneira ditatorial de agir.

Recentemente, o presidente voltou a minimizar os efeitos da pandemia, mesmo diante de mais de 132 mil mortes pela Covid-19, e chamou os prefeitos e governadores, que apresentaram medidas de isolamento social, de "projetos de ditadores nanicos", certamente, fazendo alusão a ele, o "ditador gigante".

o

Bolsonaro é a aberração ululante que eu e outros, infelizmente, ajudamos a eleger. Assim como erramos ao eleger Collor, Lula e Dilma, reincidimos no erro ao eleger Bolsonaro. Mas são os ossos da democracia, ou seja, as dificuldades de se encontrar verdadeiros estadistas para presidir o Brasil.

Deseducado, Bolsonaro tem contribuído negativamente para o combate do coronavírus. Prepotente, age como se fosse um ditador. Mas vai pagar por seus excessos ditatoriais na próxima eleição, temos certeza. E, de acordo com pesquisa, 56% da população reprova a atuação do chefe do governo.

Manobra com todas as fichas para impedir que seus filhos mimados sejam processados por cometimentos de irregularidades. Agora mesmo, a Globo foi proibida de exibir documentos da "rachadinha" no RJ do senador Flávio Bolsonaro, cujo procedimento judicial é próprio de Estado antidemocrático e cerceia a liberdade de trabalho e divulgação da imprensa brasileira.

Maquiavélico, Bolsonaro apunhalou o ex-juiz Sérgio Moro, que largou a magistratura para servir ao governo. Sem esquecer também a sua traição ao seu colaborador de campanha, Gustavo Bebianno, ex-ministro da Secretaria-Geral da Presidência, exonerado, que morreu de tristeza (infarto) por tudo o que passou no governo.

Comentários Facebook


Facebook


Newsletter


Inscreva-se no boletim informativo da Folha do ES para obter suas atualizações e novidades semanais diretamente em seu e-mail.

© 2020 Folha do ES. Todos os direitos reservados.