Folha do ES
Dom, 24 de Jan
Cofril

.Home     Colunistas     Leandro Chades Bettecher

A morte de um deus


Leandro Chades Bettecher

Leandro Chades Bettecher

Leandro Chades Bettecher é cantor, violonista, poeta, romancista, jornalista e compositor. Formado em Letras Literatura e um dos lideres da banda Maloca dos Braga.

Ver todos os artigos

  04.dezembro.2020

Há um certo tempo atrás, assisti a um documentário cujo o nome era “La caída de um Dios”, que contava à história de Diego Armando Maradona, esse mito do futebol, que veio a nos deixar nessa tarde de 25 de novembro de 2020, aos 60 anos. Deixando muitas saudades, para os amantes do futebol. E de certa forma para o mundo em geral.

Ninguém fez tanto sozinho como Maradona. Nem Pelé - Prisma - R7 Cosme Rímoli

Particularmente, gosto muito da história desse futebolista genial, em 1986 ano que nasci, ele carregou a nação da Argentina nas costas, algo, que de fato, não aconteceu aqui, pois o nosso futebol, sempre foi mais coletivo, uma vez que sempre tivemos, muitos bons jogadores. Mas todos sabem o que Dieguito era capaz de fazer, era de uma magia incrível dentro de campo, a genialidade acompanhada de uma agilidade impressionante, parecia fácil demais para ele jogar futebol. Passava por homens que davam dois dele, como se não existissem.

Peguei o final de sua carreira, lembro-me que na copa de 94, ele meteu um golaço no jogo contra a Grécia, e na comemoração saiu muito louco, quem conhece sabe...

E no próximo jogo, que foi contra à Nigéria, ele foi pego no doping do jogo anterior, uma pena, pois não sei se o Brasil seria campeão com ele em campo, mas o destino é implacável. A imagem de uma enfermeira tirando ele de campo, e saindo de mãos dadas com ele, jamais sairá de minha cabeça, pois ali foi a primeira morte dele. “ O jogador de futebol morre duas vezes, uma quando aposenta, e outra quando realmente morre”, costumam dizer os jogadores.

Eu achava estranho gostar tanto de um jogador argentino, depois que fui perceber os motivos. Mas acho que foi devido ao fato dele ter conquistado uma copa do mundo no mesmo ano que nasci, e também pelas loucuras que nos acompanham. Sempre me lembrarei de você, como um gênio indomável, dentro e fora de campo.

Morre aos 60 anos Diego Maradona, ídolo maior do futebol argentino - Bem  Paraná

Comentários Facebook


Facebook


Newsletter


Inscreva-se no boletim informativo da Folha do ES para obter suas atualizações e novidades semanais diretamente em seu e-mail.

© 2021 Folha do ES. Todos os direitos reservados.