Folha do ES
Ter, 17 de Set
NOTA FISCAL SETEMBRO KENNEDY

.Home     Colunistas     Pedro Valls Feu Rosa

Jogo com o que?


Pedro Valls Feu Rosa

Pedro Valls Feu Rosa

Pedro Valls Feu Rosa é desembargador. Um dos mais renomados juristas do Espirito Santo e do Brasil. Foi um dos mais jovens presidentes do Tribunal de Justiça do Espírito Santo.

Ver todos os artigos

  05.setembro.2019

Dia desses, meio que ao acaso, decidi buscar em meus arquivos notícias de jornais estrangeiros sobre o jogo - sim, este mesmo jogo cuja legalização busca-se aqui no Brasil.

Comecei pela Albânia: “Proibidas casas de apostas em 2019, na luta contra o crime organizado. Para o Primeiro-Ministro, o objetivo da nova lei é impedir que o crime organizado obtenha lucros através desta indústria, que também é utilizada para a lavagem de dinheiro”.

Minha escala seguinte foi no Japão: “Para que os cassinos japoneses funcionem, mantenham a Yakuza (crime organizado) à distância, regulem o vício no jogo e lidem com o problema do álcool”.

Dali fui à China: “A Polícia Judiciária revelou ontem um relatório sobre criminalidade segundo o qual os crimes ocorridos dentro dos cassinos aumentaram 19,2% em 2016, com destaque para os casos de sequestros resultantes de agiotagem para jogo”.

Passei pela Austrália: “As comunidades pobres de Melbourne ainda estão sofrendo com o problema do jogo, de acordo com um novo relatório contradizendo declarações governamentais de que a batalha contra o vício está sendo vencida”.

Percorri o Reino Unido: “A extensão do vício dos ingleses nas máquinas de jogo foi revelada hoje com a divulgação do faturamento de dois empresários do setor, que alcançaram £ 12 bilhões no primeiro semestre do ano”. Detalhe: este dinheiro veio dos 25% mais pobres do país.

Não me esqueci do Panamá: “A indústria dos jogos de azar - especialmente os cassinos - historicamente está associada ao crime organizado, à violência e à corrupção. No caso do Panamá, no século XXI esta percepção está sendo confirmada”.

Meu olhar seguinte foi sobre Portugal: “Mais viciados pedem para ficar fora dos cassinos. Só no ano passado 533 frequentadores de cassinos tomaram a iniciativa de travar a sua própria entrada em salas de jogo, recorrendo à requisição prevista na lei”.

Cheguei ao Quênia: “Os quenianos parecem estar acordando para a realidade do quão sério o jogo patológico tornou-se em nossa sociedade. Algumas companhias de apostas, após alguns poucos anos de operação, chegaram a adquirir bancos e empresas de telecomunicações com os lucros”.

Poderia escrever, afinal, um livro só com o que coletei ao longo de alguns anos - mas paro aqui por falta de espaço. Que tal meditarmos sobre isso?

Comentários Facebook


Enquete


Qual destes aplicativos você mais usa diariamente?

  Votar   Ver resultado

Facebook


Newsletter


Inscreva-se no boletim informativo da Folha do ES para obter suas atualizações e novidades semanais diretamente em seu e-mail.

© 2019 Folha do ES. Todos os direitos reservados.