Folha do ES
Ter, 12 de Nov
LEIA PESQUISA

.Home     Colunistas     Rodrigo Monteiro

A criminalidade agradece


Rodrigo Monteiro

Rodrigo Monteiro

Promotor de Justiça; Escritor; Palestrante; Doutorando em Direito (Universidad de Salamanca); Mestre em Direito (FDV).

Ver todos os artigos

  07.outubro.2019

O Congresso Nacional acaba de rejeitar 18 vetos impostos pela Presidência da República à recém-aprovada Lei de abuso de autoridade, que trouxe para os agentes públicos responsáveis pela investigação, processamento e julgamento de crimes em geral, uma série de dificuldades que, inegavelmente, enfraquecerão todo o sistema jurídico brasileiro.

Diante de uma inegável crise de legitimidade vivenciada na sociedade brasileira, não há como afirmar que a rejeição dos vetos pelos representantes eleitos configura a materialização da vontade do povo. Grande parte dos novos parlamentares que assumiram seus mandatos no início de 2019 se elegeram com o discurso do “novo” e, sobretudo, do combate à corrupção e à criminalidade.

De forma antagônica, porém, a sociedade recebe uma legislação que tem a clara finalidade de mitigar o combate à criminalidade e fortalecer a impunidade que há anos insiste em reinar em terras brasileiras. Chama a atenção que todas as condutas configuradoras de “abuso de autoridade” constantes na proposta aprovada digam respeito aos interesses de quem comete crimes.

De modo surpreendente os 45 artigos da proposta originalmente provada pelo Congresso Nacional não trouxeram um único ato de “abuso de autoridade” hipoteticamente cometido contra os interesses da coletividade. Passaram a ser considerados “abuso de autoridade”, por exemplo, os atos de deixar de relaxar a prisão “manifestamente incabível”, de decretar a prisão em “manifesta desconformidade com as hipóteses legais”, deixar de deferir habeas corpus quando “manifestamente cabível”, dar início a uma ação penal “sem justa causa fundamentada”.

As novas (e subjetivas) condutas delituosas que poderão ser imputadas a magistrados, membros do MP e autoridades policiais são, exclusivamente, aquelas contrárias aos interesses de quem cometeu crimes. A nova legislação não dedicou uma única vírgula para os possíveis “abusos” cometidos contra as vítimas desses crimes.

Tal constatação, por si, diz muita coisa! A proposta peca por criar dezenas de novos crimes que se basearão unicamente em valorações subjetivas, com um claro propósito de inibir o trabalho das instituições vocacionadas ao combate à criminalidade e à corrupção. A sociedade clama pelo combate à impunidade.

O Congresso Nacional, na contramão dos anseios que vêm das ruas, entrega para a população uma legislação que ao invés de fomentar o combate aos criminosos, enfraquece o trabalho daqueles que lutam contra a criminalidade. A criminalidade agradece e passará a comemorar o dia 24.09.2019 de forma especial. Dias ruins estão por vir!

Comentários Facebook


Enquete


Você tem aprovado a forma de governar neste ano de 2019 do Presidente Jair Bolsonaro?

  Votar   Ver resultado

Facebook


Newsletter


Inscreva-se no boletim informativo da Folha do ES para obter suas atualizações e novidades semanais diretamente em seu e-mail.

© 2019 Folha do ES. Todos os direitos reservados.