Folha do ES
Sex, 21 de Fev
CARNAVAL GOVERNO

.Home     Colunistas     Usiel Carneiro de Souza

UMA JUSTIÇA SUPERIOR


Usiel Carneiro de Souza

Usiel Carneiro de Souza

Usiel Carneiro de Souza Teólogo e Administrador de Empresas

Ver todos os artigos

  11.fevereiro.2020

Há uma justiça que podemos produzir, capaz de atender ao olhar humano. Uma justiça superficial e das aparências. Ela não atende ao Reino de Deus. Nele não servem superficialidades. Nele o amor é inegociável e a retidão é mais do que não fazer uma coisa errada. No capítulo 23 do Evangelho de Mateus Jesus analisa a justiça dos fariseus e mestres da Lei, e expõe seus enganos. Eles colocavam exigências pesadas sobre as pessoas, exigências que eles mesmos não conseguiam cumprir. Tinham prazer em dominar as pessoas e de estarem em evidência. Achavam-se superiores aos demais. Por isso Jesus lhes disse: “Vocês fecham o Reino dos céus diante dos homens. Não entram e os impedem de entrar” (Mt 23.13). Fechavam, porque eram legalistas e ensinavam um relacionamento com Deus baseado no mérito e na observância de regras e leis, desprezando a graça e a misericórdia. Jesus disse que a piedade deles era pura aparência. Eram zelosos ao observar regras e maldosos ao lidar com pessoas. Eram líderes que buscavam seguidores para si mesmos e não para Deus.

Eles se orgulhavam de fazer suas ofertas em observância à lei, de praticarem os rituais de purificação, de observarem com rigidez o sábado. Mas não sabiam amar, não eram humildes e não entendiam o sentido do que faziam. Por isso Jesus lhes disse: “Ai de vocês, mestres da lei e fariseus, hipócritas! Vocês dão o dízimo da hortelã, do endro e do cominho, mas têm negligenciado os preceitos mais importantes da lei: a justiça, a misericórdia e a fidelidade.” (Mt 23.23-24) Coavam mosquitos e engoliam camelos, ignorando o mais importante, o que deveria vir primeiro. Nas palavras de Jesus, eram sepulcros caiados, limpos por fora e podres por dentro, tendo o coração cheio de hipocrisia e maldade. Infelizmente estamos sujeitos ao mesmo comportamento. Corremos o risco de sermos bons em liturgias e um fracasso no dever de amar, servir, perdoar e cuidar. Corremos o risco de valorizar mais coisas que pessoas, faltando-lhes com o respeito, o amor e a bondade que jamais poderiam faltar.

Conta-se que certo dia um garoto procurou o pastor e pediu permissão para que ele e sua família se mudassem para o prédio onde a igreja funcionava. Achando estranho o pedido e também curioso, o pastor perguntou a razão. O menino então explicou que era porque seu pai era muito bom quando eles estavam no templo, mas não era a mesma pessoa quando chegava em casa. Nosso desafio não é viver a fé em Cristo dentro do templo, não é adorar no momento dos cânticos, não é sentir a presença de Deus durante o culto. Nosso desafio é revelar o sentido de tudo isso no dia a dia, nos lugares comuns, nos dias da semana e dentro de casa. Nosso desafio é viver uma espiritualidade que se espalhe para cada canto de nossa vida e nos leve a revelar, com atitudes, que fomos alcançados, amados, perdoados e reconciliados com Deus. Que suas atitudes revelem que sua fé está firmada em Jesus e sua vida envolvida pelo Reino de Deus. Que você revele uma justiça muito superior à dos escribas e fariseus.

Comentários Facebook


Facebook


Newsletter


Inscreva-se no boletim informativo da Folha do ES para obter suas atualizações e novidades semanais diretamente em seu e-mail.

© 2020 Folha do ES. Todos os direitos reservados.