Folha do ES
Seg, 28 de Set
Carlos Henrique

.Home     Colunistas     Usiel Carneiro de Souza

UMA NOVA SOCIEDADE


Usiel Carneiro de Souza

Usiel Carneiro de Souza

Usiel Carneiro de Souza Teólogo e Administrador de Empresas

Ver todos os artigos

  15.julho.2020

“Mas vocês não devem ser chamados ‘rabis’; um só é o mestre de vocês, e todos vocês são irmãos. A ninguém na terra chamem ‘pai’, porque vocês só têm um Pai, aquele que está nos céus. Tampouco vocês devem ser chamados ‘chefes’, porquanto vocês têm um só Chefe, o Cristo.” (Mateus 23.8-10)

O capítulo 23 de Mateus começa com Jesus fazendo uma crítica aberta aos mestres da lei e aos fariseus. Diz o texto que Ele falou à multidão e aos discípulos. Não foi uma fala reservada. E a crítica tinha a ver com vaidade e amor ao poder. Jesus disse que aqueles líderes haviam se “assentado na cadeira de Moisés”, ou seja, assumido uma posição de autoridade – alguém com direito a falar e ser ouvido! Todavia, não eram bons exemplos e haviam corrompido o caminho espiritual. O que ensinavam coloca sobre os ombros dos outros um peso que eles mesmos não se dispunham a suportar! Eles exigiam o que não davam. Não somente isso: eles desejavam ser admirados e honrados, e faziam o que podiam para serem o centro das atenções. Era essa a religião instituída, com sua estrutura e relações de poder. Diante dela Jesus declarou como deveriam ser as relações entre seus seguidores. Ele ensinou um outro tipo de sociedade, de comunidade e de relacionamentos.

Entre eles não deveria haver ambição pelo poder ou busca por grandeza. Ninguém deveria desejar ser tratado como mestre e todos deveriam tratarem-se como irmãos, como iguais, tendo todos um só Mestre, que não era nenhum deles. Também não deveriam colocar suas vidas na dependência de outros, como se pessoas, e não Deus, zelasse e cuidasse de suas vidas. “A ninguém na terra chamem pai” significa “a nenhum líder espiritual confiem suas vidas, como se dele dependesse sua segurança e bem estar”. Usando um termo que se popularizou em alguns meios, não vem de pessoas nossa “cobertura espiritual”. Há somente um que é Pai, que a todos cobre com Sua graça, de quem a vida de todos depende. Jesus não estava criticando as relações familiares, mas os abusos religiosos. E também não deveria haver entre eles uma relação de superioridade, do tipo “manda quem pode e obedece quem tem juízo”. Uma relação em que alguém, com poder, pudesse tomar decisões sem serem questionados.

Esse é o tipo de sociedade que uma igreja cristã deve aprender a ser. Nela não está ausente as diferentes responsabilidades e até mesmo certa autoridade possibilitada pela responsabilidade. Mas sua natureza não é ser uma sociedade baseada na hierarquia, no poder e nos privilégios. Uma sociedade em que poucos tem mais direitos e fazem-se superiores. Não é essa a natureza da igreja, porque não é esta a natureza do Reino de Deus. Ninguém deveria se colocar na posição de poderoso ou superior e ninguém deveria aceitar a condição de subalterno e inferior. Para vivermos nestes moldes precisamos de mudança de mentalidade. A mentalidade religiosa precisa dar lugar a uma mentalidade cristã. O amor deve ser o principio a reger a vida. No amor há respeito em lugar de abuso e ordem, sem precisar de controle ou poder. Parece utópico? Bem-vindo ao Reino do Rei que é servo e se fez pecado pelos pecadores!

Comentários Facebook


Facebook


Newsletter


Inscreva-se no boletim informativo da Folha do ES para obter suas atualizações e novidades semanais diretamente em seu e-mail.

© 2020 Folha do ES. Todos os direitos reservados.