Folha do ES
Sex, 25 de Jun
Gif Folha do ES

.Home     Colunistas     Usiel Carneiro de Souza

Piedade equivocada


Usiel Carneiro de Souza

Usiel Carneiro de Souza

Usiel Carneiro de Souza Teólogo e Administrador de Empresas

Ver todos os artigos

  10.junho.2021

Veja esses dois homens da bem conhecida parábola do samaritano: o sacerdote e o levita. Ambos representantes importantes e característicos da religião judaica, do culto do templo. Perguntado sobre como viver e agradar a Deus, Jesus lançou mão da imagem desses dois homens da fé. Para esclarecer sobre como viver corretamente aos olhos de Deus, Jesus demonstrou que há possibilidade de vivermos equivocadamente a religiosidade que, teoricamente, deveria cooperar com a vida espiritual, mas tantas vezes não coopera. Jesus, de certa forma, demonstrou que é possível nos desviarmos da vontade de Deus pensando estarmos fazendo a vontade de Deus. Aqueles dois homens, na narrativa de Jesus, passando pelo caminho viram o homem em profunda necessidade. Sua condição precária colocava-o em risco de morte, devido a agressões sofridas. Abandoná-lo seria matá-lo. E os dois religiosos, vendo-o, passaram de lado, diz Jesus. Já se perguntou porque Jesus resolveu dar àqueles homens o papel de vilões e não de heróis?

Os líderes religiosos haviam substituído Deus pelos Escritos Sagrados que falavam sobre Deus. Fizeram isso quando deixaram de ler com o espírito adequado. Quando perderam de vista a vida e as pessoas. O sábado, o lavar as mãos, o templo e diversos símbolos tornaram-se o centro de sua espiritualidade. Ao deixarem o ser humano à margem, deixaram Deus à margem. E Jesus foi incisivo e incansável em apontar isso. Os líderes religiosos revelaram uma atitude antagônica ao ensino de Jesus – foram incapazes de perceber o próprio equívoco. Diziam ser fiéis aos Escritos e aos Profetas, mas não compreendiam a centralidade do amor do qual dependem tanto a lei quanto os profetas segundo Jesus (Mt 22.40). Aqueles que acreditam andar com Deus, que estão envolvidos e comprometidos com práticas religiosas, naturalmente ocupam o lugar de referenciais sobre Deus. Por suas posturas irão revelar alguma imagem de Deus, que pode ser coerente ou incoerente com a imagem que Cristo revelou. Talvez possamos dizer que mais grave que uma postura cética, descrente, é a de quem crê equivocadamente, desviando-se, no caso do cristianismo, do verdadeiro espírito do Evangelho.

Jesus estava ensinando a um mestre da lei, que mesmo sabendo tanto da “palavra de Deus”, havia se perdido de Deus. Um homem que se sentia tão certo sobre como fazer a vontade de Deus, que resolveu testar Jesus. Ele estava desviado da vontade de Deus, embora crendo estar em harmonia com ela. Quando estamos numa estrada errada, mas pensamos ser a certa, quanto mais a percorremos, mas distantes ficamos do lugar a que tanto desejamos chegar. Como não errar assim em nossa espiritualidade? Precisamos nos voltar para a simplicidade do Evangelho e perceber que não podemos servir a Deus de outra forma que não servindo às pessoas. Que não podemos amar a Deus sem amar as pessoas. Que não fomos chamados para julgar, mas para cuidar. Nem sempre a firmeza, a certeza, é o sinal de que estamos no rumo certo. Podemos não servir a Deus, pensando estar servindo. E acontece com mais frequência do que se pensa. Devemos ter cuidado!

Comentários Facebook


Enquete


Você continua tomando os cuidados necessários para se prevenir da Covid-19?

  Votar   Ver resultado

Facebook


Newsletter


Inscreva-se no boletim informativo da Folha do ES para obter suas atualizações e novidades semanais diretamente em seu e-mail.

© 2021 Folha do ES. Todos os direitos reservados.