Os copos e garrafas da marca Stanley viraram tendência nos últimos anos. Na praia, nos bares, em shows, não importa o lugar – especialmente aqui, no Espírito Santo –, sempre aparece alguém com esse recipiente a tiracolo, Virou um "parceiro" entre aqueles que querem conservar a temperatura das bebidas por várias horas. O problema é que uma polêmica sobre esses itens fabricados pela Pacific Market International ganhou as redes sociais recentemente e pôs a marca em xeque.

Influenciadores do TikTok testaram a composição química para verificar a existência de chumbo no copo e descobriram que o metal pesado, considerado tóxico, está presente no fundo dos produtos. Posteriormente, a própria empresa reconheceu que utiliza chumbo na fabricação do item, mas garantiu que não há risco para os consumidores.

A Stanley reforçou que não há chumbo em parte alguma da superfície de seus produtos. “A marca utiliza um processo de fabricação que segue o padrão global da indústria para realizar o selamento na parede externa e garantir o isolamento a vácuo”, disse, por meio de nota, a empresa, que está há mais de cem anos no mercado.

 

Segundo a companhia, esse material de vedação inclui uma parcela de chumbo em sua composição. “No entanto, uma vez selada, essa área é coberta por uma camada não removível de aço inoxidável, tornando-a inacessível aos consumidores.”

“Na rara ocorrência desta tampa de inox se soltar, devido a algum caso extremo, possivelmente expondo o selante, este continuará sem contato com o conteúdo, sendo o produto devidamente coberto pela garantia vitalícia oferecida a todos os itens Stanley”, acrescentou a empresa.

 

A marca disse ainda que garante que seus produtos atendem a todas as exigências regulatórias dos Estados Unidos e da Europa e esclarece ainda que testa e valida a conformidade dos itens por meio de laboratórios terceirizados credenciados pela Food and Drug Administration (FDA), órgão regulador norte-americano, que verifica se os produtos seguem diretrizes rigorosas.

Mas há risco para a saúde? O infectologista Lauro Ferreira Pinto também afirma que, de maneira geral, o uso do copo não oferece risco, mesmo com a existência de chumbo na composição. Porém, apesar das informações da empresa, não descarta o perigo totalmente. Ele recomenda cautela no caso de a estrutura do produto ser danificada. Nessas condições, em uma situação extrema, os consumidores poderiam ser contaminados, alerta o médico.