Folha do ES
Seg, 26 de Out

Home   Economia     Espírito Santo


Empresa quer implantar parque eólico no Litoral Sul do ES

Empresa quer implantar parque eólico no Litoral Sul do ES

Projeto, que ainda precisa passar pela avaliação de órgãos ambientais, é de empresa com sede no Rio de Janeiro

  Por João Machado

  30.setembro.2020 às 11:32

A empresa Votu Winds, com sede no Rio de Janeiro e formada por investidores nacionais e estrangeiros, desenvolveu um projeto para a instalação de um parque eólico offshore (no mar) no Sul capixaba, no litoral dos municípios de Itapemirim, Marataízes e Presidente Kennedy. A informação foi confirmada à coluna pelo representante da companhia, Thierry Dor. De acordo com ele, há um trabalho sendo realizado para viabilizar o negócio, mas o projeto ainda é preliminar.

"A nossa política é de primeiro ir aos órgãos oficiais, apresentar os documentos às instituições competentes, para só então divulgar à imprensa, torná-lo público. Não existe caminho definido. É muito difícil afirmar que a gente vai fazer porque depende da avaliação das agências. O que posso te dizer é que existe bastante estudo e estamos fazendo um trabalho para viabilizá-lo", disse Thierry Dor, representante da Votu Winds.

Ainda que o executivo não tenha entrado em detalhes, algumas informações sobre o projeto chegaram a ser divulgadas pelo site especializado em energia "epbr". De acordo com a publicação, que teve acesso a documentos enviados aos órgãos de licenciamento, a Votu Winds “vê a possibilidade de instalação de parques eólicos com 480 MW, em três fases, totalizando 1.440 MW (megawatts) de capacidade instalada”.

NORUEGUESA EQUINOR TEM PROJETO EÓLICO PARA O ES

Além do projeto da Votu, há outro empreendimento voltado para a produção de energia renovável no Estado, o da Equinor. A companhia norueguesa tem em seus planos, conforme informações da Agência Estado, construir dois parques eólicos entre o Rio de Janeiro e o Espírito Santo, de 2 gigawatts (GW) cada, por meio dos projetos Aracatu I e Aracatu II, que juntos terão uma potência instalada capaz de abastecer o equivalente a 2 milhões de casas.

O primeiro pretende escoar a energia por meio de cabos para uma subestação no município de Campos dos Goytacazes, no Norte fluminense, já o segundo prevê o escoamento para a cidade de Itapemirim, no Sul capixaba.

MAIS INVESTIMENTOS EM ENERGIA RENOVÁVEL

Para o presidente da Associação Brasileira de Eólicas Marítimas (Abemar), Marcello Storrer, a proposta de mais negócios nessa área é positiva para o setor e importante para estimular investimentos na área de energia renovável no Brasil. Ele pondera, entretanto, que ainda é preciso avançar muito em relação às autorizações e normas para a implantação de parques eólicos offshore.

Outra fonte lembra que o Brasil precisa ter uma diretriz voltada para oferecer mais energia limpa e renovável, mas pondera que será necessário debater e superar algumas discussões, como se esse tipo de atividade pode vir a criar zonas de exclusão para pesca e navegação. Vale lembrar que o Brasil não tem nenhum parque eólico no mar. Existem projetos em avaliação em órgãos como o Ibama, mas nenhum deles prestes a ser viabilizado.

O empreendimento que estava mais avançado na fase de licenciamento, o Parque Eólico Offshore Caucaia, no Ceará, sofreu recentemente uma derrota. Em agosto deste ano, o Ibama recomendou que o pedido de licença prévia feito pela empresa BI Energia fosse indeferido (negado).


Fonte: kennedy em dia

Comentários Facebook


Facebook


Newsletter


Inscreva-se no boletim informativo da Folha do ES para obter suas atualizações e novidades semanais diretamente em seu e-mail.

© 2020 Folha do ES. Todos os direitos reservados.