Folha do ES
Sáb, 6 de Mar

Home   Economia     Mundo


PIB da China avança 2,3% em 2020; país deve ser um dos únicos a crescer

PIB da China avança 2,3% em 2020; país deve ser um dos únicos a crescer

Expansão supera as expectativas, mas é a menor desde 1976 no país asiático

  Por Leandro Bettecher

  18.janeiro.2021 às 10:57

O Produto Interno Bruto (PIB) da China cresceu mais do que o esperado no ano passado, apesar de o país e o resto do mundo tenham tido que superar a crise causada pela pandemia do coronavírus. A segunda maior economia do mundo cresceu 2,3% em 2020 em comparação com o ano anterior, de acordo com estatísticas do governo divulgadas nesta segunda-feira (18).

A expansão superou as expectativas, tornando a China a única grande economia do mundo a evitar uma contração no ano passado, enquanto as principais economias globais mergulharam em uma recessão e lutavam para conter a pandemia de Covid-19.

Continua após a publicidade

No entanto, o resultado foi o mais fraco em décadas — desde 1976, último ano da Revolução Cultural de uma década que destruiu a economia, o país não tinha um ano tão ruim, quando o PIB encolheu 1,6% durante um período de tumulto social e econômico.

Especilstas esperam que a China continue à frente de seus pares em 2021, com o PIB crescendo no ritmo mais rápido em uma década, de 8,4%, de acordo com uma pesquisa da Reuters.

A segunda maior economia do mundo surpreendeu muitos com a velocidade de sua recuperação do choque provocado pelo novo coronavírus, especialmente porque o governo também teve que lidar com as tensas relações Estados Unidos-China no comércio e em outras frentes.

Apoiada pelas rígidas medidas de contenção de vírus e estímulo político do governo, a economia se recuperou de forma constante de uma queda acentuada de 6,8% nos primeiros três meses de 2020, quando um surto de Covid-19 na cidade central de Wuhan se transformou em uma epidemia total. O esforço dos fabricantes locais, aumentando a produção para fornecer produtos a muitos países afetados pela pandemia, também ajudaram a aumentar o ímpeto.

E o ritmo da recuperação parece estar se acelerando: O PIB cresceu 6,5% no quarto trimestre, mostraram dados do National Bureau of Statistics, mais rápido do que os 6,1% previstos por economistas em uma pesquisa da Reuters, e seguiu o sólido crescimento de 4,9% do terceiro trimestre.

"O desempenho foi melhor do que esperávamos", disse Ning Jizhe, porta-voz do Escritório Nacional de Estatísticas da China, em entrevista coletiva em Pequim.

Xing Zhaopeng, economista do ANZ em Xangai, copmpletou: "O número do PIB acima do esperado indica que o crescimento entrou na zona expansionista, embora alguns setores continuem em recuperação".

O país abandonou sua meta de crescimento no ano passado pela primeira vez em décadas, enquanto a pandemia desferia um golpe histórico na economia. O PIB encolheu quase 7% no primeiro trimestre, à medida que grandes áreas do país foram colocadas em bloqueio para conter a propagação do vírus.

Desde então, porém, o governo tem tentado estimular o crescimento por meio de grandes projetos de infraestrutura e oferecendo doações em dinheiro para estimular os gastos dos cidadãos.

Produção industrial impulsiona o PIB

A produção industrial foi um grande impulsionador do crescimento, saltando 7,3% em dezembro em relação ao ano anterior.

"Entrando e saindo do bloqueio à frente de todo mundo, a economia chinesa avançou enquanto grande parte do mundo lutava para manter o equilíbrio", escreveu Frederic Neumann, codiretor de pesquisa econômica asiática do HSBC, em um relatório de pesquisa nesta segunda-feira.

A economia chinesa foi alimentada por um setor de exportação surpreendentemente resiliente, mas o consumo da China — um dos principais impulsionadores do crescimento — ficou aquém das expectativas em meio a temores de um ressurgimento dos casos Covid-19.

Continua após a publicidade

Os dados divulgados semana passada mostraram que as exportações chinesas cresceram mais do que o esperado em dezembro, à medida que as restrições impostas em todo o mundo para conter o avanço do coronavírus alimentaram a demanda por produtos chineses, mesmo com um yuan mais forte tornando as exportações mais caras para os compradores estrangeiros.

No geral, a grande quantidade de dados econômicos mais otimistas reduziu a necessidade de mais flexibilização monetária este ano, levando o banco central chinês a reduzir algum apoio de política, disseram fontes à Reuters, mas não haveria nenhuma mudança abrupta na direção da política, de acordo com os principais formuladores de política.

Em uma base trimestral, o PIB cresceu 2,6% em outubro-dezembro, em comparação com as expectativas de um aumento de 3,2% e um ganho de 3% revisado para cima no trimestre anterior.

Destacando a fraqueza no consumo, as vendas no varejo caíram 3,9% no ano passado, marcando a primeira contração desde 1968. O crescimento nas vendas no varejo em dezembro não atingiu as previsões dos analistas e caiu para 4,6% em relação aos 5,0% de novembro, à medida que as vendas de roupas, cosméticos, telecomunicações e automóveis desaceleraram.

No entanto, o vasto setor manufatureiro da China continuou ganhando impulso, com a produção industrial crescendo a uma taxa mais rápida do que o esperado de 7,3% no mês passado em relação ao ano anterior, atingindo o maior nível desde março de 2019.

Riscos para 2021

Ning Jizhe disse que haveria muitas condições favoráveis ??para sustentar a recuperação econômica da China em 2021, citando o grande mercado do país e as resilientes cadeias de suprimentos.

Mas a China ainda enfrenta muitos desafios, incluindo as tensões entre Pequim e Washington e como elas se desenrolariam sob a nova administração dos EUA liderada pelo presidente eleito Joe Biden . Da mesma forma, o aumento dos custos da mão de obra, o envelhecimento da população e um recente aumento na inadimplência de crédito aumentam os riscos para uma economia que ainda está tentando reduzir uma montanha de dívidas.

2021 marca o início do 14º plano quinquenal da China , que os legisladores consideram vital para conduzir a economia além da chamada "armadilha da renda média".

"Devemos estar alertas para os seguintes problemas em 2021: primeiro, o desequilíbrio da recuperação econômica. Em comparação com o investimento e as exportações, o consumo está fraco como um todo e ainda não voltou aos níveis normais", disse Wang Jun, economista-chefe de Pequim no Zhongyuan Bank.

O segundo problema, disse Wang, é uma possível desaceleração rápida no crescimento do crédito. O banco central deve manter sua taxa básica de juros inalterada nos próximos meses, ao mesmo tempo em que conduz uma desaceleração constante na expansão do crédito em 2021, disseram fontes políticas.


Fonte: IG Último segundo

Comentários Facebook


Facebook


Newsletter


Inscreva-se no boletim informativo da Folha do ES para obter suas atualizações e novidades semanais diretamente em seu e-mail.

© 2021 Folha do ES. Todos os direitos reservados.