Folha do ES
Seg, 13 de Jul
Rádio Cidade

Home   Esporte     Mundo


Juíza paraguaia determina prisão preventiva para Ronaldinho

Juíza paraguaia determina prisão preventiva para Ronaldinho

Juíza determina prisão preventiva de Ronaldinho Gaúcho e Assis, diz jornal

  Por Redação

  07.março.2020 às 17:47Atualizado em 07.março.2020 às 17:56

A juíza Clara Ruiz Díaz decretou, na tarde deste sábado (7), a prisão preventiva de Ronaldinho e Roberto de Assis, irmão do ex-jogador. De acordo com publicação do jornal “ABC Color”, do Paraguai, a decisão foi emitida após a audiência de custódia, que acabou no começo da tarde e foi realizada no Palácio de Justiça, em Assunção.

A magistrada decretou a prisão devido a uma possível fuga dos irmão para o Brasil. Este, inclusive, foi o argumento do promotor Osmar Legal, que temia a saída deles do Paraguai em caso de soltura.

“Eu ratifiquei o pedido de prisão preventiva, já que há risco de fuga. Os advogados pediram a prisão domiciliar, mas falta fundamentação e não foi anexada nenhuma documentação. A juíza vai resolver porque é urgente a medida cautelar”, disse Legal, segundo página do Ministério Público nas redes sociais.

Segundo o Ministério Público, Legal também emitiu um pedido de prisão para Dalia López, empresária paraguaia responsável por convidar Ronaldinho ao país.

Noite na prisão

Ronaldinho Gaúcho e seu irmão, Roberto de Assis, foram presos em Assunção, capital do Paraguai, na noite da última sexta-feira (6). Os acusados passaram a noite na Associação especializada da Polícia Nacional e deixaram o local na manhã de hoje, quando partiram para a audiência.

ENTENDA

O caso se desdobra desde a noite de quarta-feira (4), quando o ex-jogador e seu irmão e empresário foram alvos de busca da polícia do Paraguai no quarto de hotel em que estavam pelo uso de uma identidade e um passaporte paraguaios, ambos falsos.

Na quinta-feira, o Ministério Público do país havia decidido não abrir processo formal contra Ronaldinho e Assis. Na sexta, porém, o juiz Mirko Valinotti, do Juizado Penal de Garantias de Assunção, não aceitou a recomendação e deu 10 dias para a promotoria investigar o caso e dar o parecer definitivo.

Com isso, o caso foi para a Procuradoria Geral, que pediu a prisão preventiva do pentacampeão com a seleção brasileira na Copa do Mundo de 2002, e de Assis, que atua como seu empresário. A prisão aconteceu quando os dois haviam trocado de hotel. Na manhã deste sábado, eles saíram da cadeia para a audiência.

O ex-jogador e seu irmão disseram que não solicitaram esse procedimento e o Ministério Público, então, investigará um possível esquema de falsificação de documentos que envolve funcionários públicos e pessoas do setor privado.


Fonte: folhadoes.com

Comentários Facebook


Enquete


Você repetirá os votos nos candidatos a prefeito e a vereador eleitos em 2016?

  Votar   Ver resultado

Facebook


Newsletter


Inscreva-se no boletim informativo da Folha do ES para obter suas atualizações e novidades semanais diretamente em seu e-mail.

© 2020 Folha do ES. Todos os direitos reservados.