Folha do ES
Qui, 9 de Abr
HECI Páscoa

Home   Esporte     Mundo


Juíza paraguaia determina prisão preventiva para Ronaldinho

Juíza paraguaia determina prisão preventiva para Ronaldinho

Juíza determina prisão preventiva de Ronaldinho Gaúcho e Assis, diz jornal

  Por Redação

  07.março.2020 às 17:47Atualizado em 07.março.2020 às 17:56

A juíza Clara Ruiz Díaz decretou, na tarde deste sábado (7), a prisão preventiva de Ronaldinho e Roberto de Assis, irmão do ex-jogador. De acordo com publicação do jornal “ABC Color”, do Paraguai, a decisão foi emitida após a audiência de custódia, que acabou no começo da tarde e foi realizada no Palácio de Justiça, em Assunção.

A magistrada decretou a prisão devido a uma possível fuga dos irmão para o Brasil. Este, inclusive, foi o argumento do promotor Osmar Legal, que temia a saída deles do Paraguai em caso de soltura.

“Eu ratifiquei o pedido de prisão preventiva, já que há risco de fuga. Os advogados pediram a prisão domiciliar, mas falta fundamentação e não foi anexada nenhuma documentação. A juíza vai resolver porque é urgente a medida cautelar”, disse Legal, segundo página do Ministério Público nas redes sociais.

Segundo o Ministério Público, Legal também emitiu um pedido de prisão para Dalia López, empresária paraguaia responsável por convidar Ronaldinho ao país.

Noite na prisão

Ronaldinho Gaúcho e seu irmão, Roberto de Assis, foram presos em Assunção, capital do Paraguai, na noite da última sexta-feira (6). Os acusados passaram a noite na Associação especializada da Polícia Nacional e deixaram o local na manhã de hoje, quando partiram para a audiência.

ENTENDA

O caso se desdobra desde a noite de quarta-feira (4), quando o ex-jogador e seu irmão e empresário foram alvos de busca da polícia do Paraguai no quarto de hotel em que estavam pelo uso de uma identidade e um passaporte paraguaios, ambos falsos.

Na quinta-feira, o Ministério Público do país havia decidido não abrir processo formal contra Ronaldinho e Assis. Na sexta, porém, o juiz Mirko Valinotti, do Juizado Penal de Garantias de Assunção, não aceitou a recomendação e deu 10 dias para a promotoria investigar o caso e dar o parecer definitivo.

Com isso, o caso foi para a Procuradoria Geral, que pediu a prisão preventiva do pentacampeão com a seleção brasileira na Copa do Mundo de 2002, e de Assis, que atua como seu empresário. A prisão aconteceu quando os dois haviam trocado de hotel. Na manhã deste sábado, eles saíram da cadeia para a audiência.

O ex-jogador e seu irmão disseram que não solicitaram esse procedimento e o Ministério Público, então, investigará um possível esquema de falsificação de documentos que envolve funcionários públicos e pessoas do setor privado.


Fonte: folhadoes.com

Comentários Facebook


Facebook


Newsletter


Inscreva-se no boletim informativo da Folha do ES para obter suas atualizações e novidades semanais diretamente em seu e-mail.

© 2020 Folha do ES. Todos os direitos reservados.