Folha do ES
Ter, 2 de Jun
HOSPITAL EVANGÉLICO PRONTO ATENDIMENTO

Home   Geral     Espírito Santo


Demissão de médico da UTI e mortes na Santa de Cachoeiro-ES

Demissão de médico da UTI e mortes na Santa de Cachoeiro-ES

Falta de transparência da Santa Casa de Cachoeiro de Itapemirim-ES levantam suspeitas em familiares de pacientes de COVID-19 (Foto ilustrativa)

  Por Jackson Rangel Vieira

  20.maio.2020 às 13:52Atualizado em 21.maio.2020 às 19:35

Surpreendeu o mercado de Saúde de Cachoeiro de Itapemirim-ES a demissão do Chefe da Unidade de Terapia Intensiva (UTI) da Santa de Misericórdia, Rafael Salgado, em plena pandemia do coronavírus.

A direção da Santa Casa não emitiu nenhuma nota de esclarecimento sobre os motivos que levaram o médico especialista em terapia intensiva. Há silêncio dos dois lados. O médico também não justificou sua saída.

Em paralelo, famílias de pacientes mortos pela COVID-19 enviaram reclamações de indignação à redação da FOLHA, até áudio, para questionar o hospital. Segundo relatos, estão misturando pacientes com suspeitas com pacientes infectados.

No caso da saída do renomado e um dos poucos especialistas em medicina intensiva, o questionamento fica: Salgado estava sendo incompetente na função ou estava sem condições de trabalho por falta de equipamento adequados ou pagamento?

Caberia ao Ministério Público e ao secretário Estadual da Saúde, Nésio Fernandes de Medeiros Junior, auditarem a Santa Casa que foi credenciada pelo Governo do Estado como referência para o tratamento do coronavírus. Levantar as condições e quais protocolos estão sendo implementados para dar satisfação à sociedade e à famílias dos pacientes internados e falecidos.

A redação da FOLHA tentou entrar em contato com o médico e com a direção do hospital, mas não houve retorno e nem acesso. A liberação de boletim padrão como vem fazendo a Santa Casa não explicita a transparência moral do problema.


UMA DAS MANIFESTAÇÕES DE UM DOS FAMILIARES DE PACIENTE MORTO COM COVID-19

Queria aqui expressar minha dor e minha indignação do porque esse COVID-19 está sendo tratado mais como uma política do que como um vírus. Pessoas estão morrendo, porque eles pensam no capitalismo. Eu estava com três tios internados e minha tia faleceu na quarta feira dia 13/05/20. Ontem meu tio sem nenhum problema de saúde chegou na Santa Casa andando e falando. Saiu ontem mesmo de lá morto. O que passa na minha cabeça é revolta e a dor. Por que um médico excelente sairia da Santa Casa como Rafael Salgado? Tem algo por trás! Com mortes eles conseguem dinheiro sem licitação. É muita safadeza! Quantos precisam morrer? Tenho outro tio lá. Será que vou esperar mais uma semana para só vê-lo morrer? Por que não se escuta falar que morreu paciente de COVID-19 na Unimed ou outro hospital privado?

Clayton Machado Mendonça


A FOLHA divulga o nome do autor da indignação autorizado por ele e existe outras reclamações, como a de um pastor de Cachoeiro, no mesmo sentido.


* art.132 : Expor a vida ou a saúde do outrem a perigo direto e iminente. é punível com detenção, de 3 meses a 1 ano se o fato não constitui crime mais grave


Fonte: folhadoes.com

Comentários Facebook


Facebook


Newsletter


Inscreva-se no boletim informativo da Folha do ES para obter suas atualizações e novidades semanais diretamente em seu e-mail.

© 2020 Folha do ES. Todos os direitos reservados.