Folha do ES
Seg, 30 de Nov
RESULTADO PESQUISAS

Home   Geral     Espírito Santo


Despoluição da baía de Vitória está longe de acontecer, afirmam especialistas

Despoluição da baía de Vitória está longe de acontecer, afirmam especialistas

  Por Redação

  26.outubro.2020 às 09:07

No anúncio da empresa que vai gerenciar o serviço de esgotamento sanitário dos municípios de Cariacica e Viana, o Governador Renato Casagrande disse que o estado alcançará a despoluição da baía de Vitória, com a previsão de cobertura máxima do tratamento em Cariacica até 2031. Para especialistas, no entanto, a meta depende de uma série de medidas que envolvem ações ambientais e sociais. E está longe de acontecer.

A reportagem procurou pelo Governo para entender de que forma isso seria feito. A Companhia Espírito-santense de Saneamento (Cesan) informou que a despoluição será feita por meio da universalização do sistema de esgotamento sanitário na Região Metropolitana de Vitória.

Segundo a Cesan, na capital, o serviço de coleta e tratamento de esgoto já está universalizado, enquanto os municípios de Serra e Vila Velha, que têm Parcerias Público-Privada (PPP) em andamento, estariam à beira de ter cobertura completa de redes de esgoto. “Com os serviços da nova parceira da Cesan, Cariacica também alcançará a cobertura máxima de redes de esgoto”, afirma um trecho da nota.

Apesar da meta otimista, especialistas afirmam que essa despoluição da baía de Vitória passa por um longo percurso. O integrante do Conselho Estadual de Meio Ambiente (Consema), Eraylton Moreschi, explicou que a universalização do sistema de esgoto é um processo complexo. “Universalizar é disponibilizar o atendimento a todas as residências do município, coletando os esgotos gerados em cada unidade residencial, comercial e pública”, explica.

De acordo com o especialista, essa universalização ainda não aconteceu em Vitória. Eraylton pontua que há pontos de lançamento de esgoto in natura na Praia do Canto, na Ilha do Boi e no canal de Camburi por exemplo. “Essa informação não procede. Na Praia do Canto mesmo tem prédios que não têm interligação com a rede de esgoto”, destacou.

Em 2016, a bióloga e tecnóloga em saneamento ambiental Márcia Soares fez o monitoramento dos pontos de entrada e saída de esgoto na baía de Vitória. Na ocasião, o poder público também dizia que Vitória tinha 100% do esgoto tratado, mas o estudo constatou diversos pontos em que o esgoto era despejado sem tratamento.

De acordo com o documento, apesar de ser a cidade da Grande Vitória com maior cobertura de rede coletora de esgoto (88,70%), a capital capixaba despejava mais de 16 milhões de litros de esgoto não tratado todos os dias. Para a especialista, pouca coisa mudou de lá pra cá, já que ainda existem pontos da cidade com vazão irregular. “Se mudou, foi muito pouco. Em torno de 5%”, informa.

É possível despoluir a baía de Vitória até 2031?

Os especialistas defendem que, para que a meta de despoluição da baía de Vitória seja alcançada, é necessário um trabalho extenso. Isso, porque, mesmo nos locais alcançados pela rede de esgoto, existem problemas não observados. “Ter cobertura de esgoto para tratamento é diferente de ter população atendida. Nem sempre o sistema implantado é funcional”, explica.

Márcia destaca casos de moradores que desconectam a própria casa da rede de esgoto por causa de uma diferença de nível entre a rede e a residência. Isso faz com que muitos moradores deixem de usar a rede municipal, porque os resíduos acabam voltando para o local.

De acordo com a especialista, a falta de tratamento em comunidades instaladas em unidades de conservação também impedem que a universalização do sistema de esgoto seja alcançada. De acordo com ela, nesses locais, não é permitido fazer obras de infraestrutura. “Seria necessária uma ação social e econômica para remover todas essas residências, colocar essas famílias em outros locais ou fazer tratamento unitário nessas ocupações”, destaca.

Soluções

O estudo identificou diversos pontos de Vitória onde a rede de esgoto vaza para o sistema de drenagem, que é responsável pelo escoamento da água da chuva para os corpos hídricos, como rios e praias. “Hoje, nenhuma cidade da Grande Vitória tem esse sistema sem essa fuga. Você pode observar isso pelo sistema elevatório de drenagem que tem ali na Beira Mar, onde se vê a contribuição do esgoto”, destaca.

De acordo com o relatório, esse vazamento provoca uma série de impactos negativos. Dentre eles está a contaminação por patógenos causadores de doenças, a desoxigenação das águas devido à decomposição de matéria orgânica e a contaminação das águas pela adição de substâncias tóxicas.

Márcia ressalta que a despoluição da baía de Vitória vai depender da contenção de todo esgoto que entra no sistema de drenagem, por meio de um diagnóstico completo. “Vai além de só colocar a rede de esgoto. Cada município tem uma particularidade. Por isso, é preciso ter conhecimento, inclusive, do relevo da cidade. Se não fizerem esse levantamento, a gente vai continuar tendo esgoto na praia”, conclu


Fonte: Es Hoje

Comentários Facebook


Facebook


Newsletter


Inscreva-se no boletim informativo da Folha do ES para obter suas atualizações e novidades semanais diretamente em seu e-mail.

© 2020 Folha do ES. Todos os direitos reservados.