Folha do ES
Dom, 11 de Abr
Receitas

Home   Geral     Espírito Santo


Cachoeiro oferece amparo às mulheres vítimas de violência

Cachoeiro oferece amparo às mulheres vítimas de violência

Campanha da Prefeitura lembra da importância da denúncia no combate à violência. Foto: Montagem/PMCI

  Por Kimberlly Soares

  05.março.2021 às 15:46

De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), uma em cada três mulheres, em todo o mundo, sofreu violência física ou sexual por parte do parceiro ou de terceiros durante a vida. Em Cachoeiro, para amparar as vítimas, é oferecido atendimento psicossocial gratuito.

O serviço é prestado pelo Centro de Referência Especializado de Assistência Social (Creas), que conta com equipe qualificada para prestar a assistência e fazer a articulação com demais órgãos que compõem a rede de proteção à mulher, para encaminhamentos a outros atendimentos. Por meio do Serviço de Proteção e Atendimento Especializado a Famílias e Indivíduos (Paefi), o Creas disponibiliza assistente social e psicólogo às vítimas, que passam a ser acompanhadas pela equipe, de forma presencial (inclusive, com visitas domiciliares) e remota.

O acesso ao atendimento se dá pela procura espontânea à sede do Creas, localizada na rua 25 de Março, 692, Centro, e de encaminhamentos feitos por outros equipamentos sociais, como o Centro de Referência de Assistência Social (Cras), e órgãos da rede de proteção à mulher, como a Delegacia Especializada de Atendimento à Mulher (Deam). Com a Deam, a Secretaria Municipal de Desenvolvimento Social (Semdes) firmou uma parceria para ampliar o acesso de mulheres violentadas à assistência psicossocial oferecida pelo Creas. As vítimas atendidas na delegacia são orientadas a buscar o serviço e já saem do local com o atendimento agendado no Creas.

“Ao serem encaminhadas ao Creas, as mulheres vão ter todos os atendimentos e encaminhamentos necessários pra auxiliar no fortalecimento e superação da violação de que foram vítimas. Ela entende que não está sozinha e que possui profissionais especializados que podem ajudá-la durante todo esse processo”, ressalta a secretária de Desenvolvimento Social de Cachoeiro, Márcia Bezerra.

O Creas funciona de segunda a sexta, das 8h às 17h, e também atende pelo telefone 3155-5303. Para denúncia de casos de violência contra a mulher, a orientação é acionar a Delegacia Especializada de Atendimento à Mulher de Cachoeiro, que fica na rua Coelho Melo, nº 1, no bairro Independência, em frente ao Fórum, e atende pelo telefone 3155-5084. Outro canal de denúncia é o telefone 180 (Central de Atendimento à Mulher). “É importante que as mulheres conheçam esses serviços que estão à disposição. Existem ações conjuntas que podem auxiliar as vítimas de violência. A divulgação dessas ações é extremamente relevante, porque elas podem salvar vidas”, salienta a presidente do Conselho Municipal dos Direitos da Mulher, Marilene Depes.

Campanha Em homenagem ao Dia Internacional da Mulher (8 de março), a Prefeitura de Cachoeiro lançou a campanha “Mulher, você pode”. A iniciativa exalta a força feminina para enfrentar os desafios e reveses da vida, mas, também, lembra da importância de se combater a violência doméstica. Para isso, além de conhecer os canais de denúncias, é preciso saber identificar as diferentes formas de violência, que não se resumem a agressões físicas. Confira: Violência física: conduta que ofenda a integridade ou saúde corporal da mulher. Exemplos: tapas, socos, empurrões, queimaduras, empurrões, tortura. Violência psicológica: ameaças, cárcere privado, manipulação, insultos, ciúme excessivo, perseguição. A violência psicológica costuma vir antes dos outros tipos. Abala a autoestima da mulher e a deixa fragilizada para enfrentar a situação. Violência sexual: o estupro é a forma mais conhecida, mas a violência sexual também ocorre de outras formas, como: matrimônio forçado, proibição de uso de métodos contraceptivos, exigência de práticas que ela não gosta ou aborto contra vontade. Violência patrimonial: ocorre quando a mulher tem sua renda ou patrimônio subtraídos ou destruídos pelo agressor. São comuns casos de extorsão, apropriação de bens e estelionato. Violência moral: quando o agressor tenta fragilizar e denegrir a reputação da vítima, seja por meio de calúnia, difamação, exposição de conteúdo íntimo ou críticas mentirosas.


Fonte: Prefeitura de Cachoeiro de Itapemirim

Comentários Facebook


Facebook


Newsletter


Inscreva-se no boletim informativo da Folha do ES para obter suas atualizações e novidades semanais diretamente em seu e-mail.

© 2021 Folha do ES. Todos os direitos reservados.