Folha do ES
Ter, 4 de Out
Nova logo da LEIA Pesquisa

Home   Geral     Mundo


Veja tabela com os riscos de transmissão da monkeypox

Veja tabela com os riscos de transmissão da monkeypox

Especialistas do Departamento de Saúde de Chicago criaram tabela classificando atividades do dia a dia de acordo com os riscos de infecção

  Por Redação

  02.agosto.2022 às 14:32

Circula nas redes sociais uma tabela que classifica atividades diárias de qualquer pessoa, como ir ao supermercado, viajar de avião ou ônibus, beijar e ter relações sexuais, de acordo com o risco de transmissão da varíola dos macacos.

As informações foram compiladas de uma entrevista de especialistas do Departamento de Saúde Pública de Chicago (CDPH, na sigla em inglês) à NBC Chicago, veiculada na última quarta-feira (27/7), e rapidamente se espalharam.

No Brasil, o conteúdo foi traduzido pelo infectologista Vinicius Borges – conhecido nas redes sociais como Doutor Maravilha – e por profissionais da ONG Instituto Multiverso, que produzem conteúdos de saúde para pessoas LGBTQIA+.

NBC ChicagoTabela - varíola dos macacos

Tabela mostra risco de transmissão da varíola dos macacos

Aproximadamente 18 mil casos de varíola dos macacos já foram reportados em 78 países desde que o primeiro paciente foi identificado no Reino Unido, em maio deste ano. Onze mortes foram confirmadas: uma no Brasil, uma no Peru, duas na Espanha, uma na Índia e seis na África.

Risco de transmissão

De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), a doença é transmitida principalmente pelo contato com fluidos corporais, lesões na pele ou em superfícies internas de mucosas, como boca ou garganta, gotículas respiratórias e objetos contaminados.

Os especialistas da CDPH foram mais além e dividiram as atividades por risco de transmissão para alertar e acalmar a população.

  • Contato direto com lesões de pele, casquinhas e fluidos corporais;
  • Contato sexual íntimo – neste caso a camisinha não é suficiente para prevenir a transmissão do vírus da varíola dos macacos.

“A principal fonte de disseminação é o contato direto pele a pele com erupções cutâneas ou feridas, e isso pode e tem muito frequentemente ocorrido entre nossos casos, incluído contato sexual ou íntimo”, afirmou a diretora médica de saúde ambiental do CDPH, Janna Kerins, à NBC Chicago.

Risco aumentado

  • Beijar;
  • Ficar agarradinho;
  • Dançar em uma festa em ambiente fechado com pessoas sem camisa ou não completamente vestidas.

Risco intermediário

  • Compartilhar bebidas, talheres e utensílios;
  • Compartilhar a cama, toalhas e itens e higiene;
  • Dançar em uma festa em ambiente fechado com pessoas completamente vestidas.

Risco baixo (improvável)

  • Dançar em uma festa em ambiente externo com pessoas completamente vestidas;
  • Ambiente de trabalho;
  • Experimentar roupas em uma loja;
  • Encostar em maçanetas;
  • Viajar de avião ou ônibus;
  • Tomar banho ou nadar em piscinas, banheiras, rios, mar e cachoeira;
  • Usar banheiro público;
  • Usar transporte público;
  • Ir ao supermercado, bares ou academia.

“Um evento ao ar livre é certamente menos arriscado do que um lugar lotado dentro de casa. Depende realmente de quanta roupa você está vestindo”, comentou o vice-comissário do CDPH, Massimo Pacilli, sobre o risco de dançar em um festival em ambiente externo.


Fonte: Metrópoles

Comentários Facebook


Facebook


Newsletter


Inscreva-se no boletim informativo da Folha do ES para obter suas atualizações e novidades semanais diretamente em seu e-mail.

© 2022 Folha do ES. Todos os direitos reservados.