Folha do ES
Seg, 30 de Nov
RESULTADO PESQUISAS

Home   Geral     Mundo


Buscas por “excluir Facebook” crescem 250% após filme “O Dilema das Redes”

Buscas por “excluir Facebook” crescem 250% após filme “O Dilema das Redes”

No Google, pesquisas como "excluir conta", "desativar temporariamente" e "desativar notificações" estão crescendo expressivamente depois do filme da Netflix

  Por Leandro Bettecher

  01.outubro.2020 às 10:25

Desde que foi lançado, em 09 de setembro, o documentário “O Dilema das Redes”, produzido pela Netflix, tem gerado respostas diversas entre o público. A mensagem que o longa retrata vem causando impacto, e até certo desconforto, ao revelar detalhes sobre uma engrenagem invisível que controla nossas “escolhas” no vasto campo das redes sociais. Neste contexto, um levantamento feito pela Decode, empresa de análise e pesquisa em big data, mostra que buscas por “Desativar/excluir Facebook” cresceram 250% no Google entre 9 e 29 de setembro.

O aumento da procura por se ‘desconectar’ das redes é causado pelo cenário social do espaço online que, a cada dia, influencia o modo como vivemos. No filme dirigido por Jeff Orlowski, especialistas em tecnologia e profissionais da área discutem sobre os impactos devastadores que o uso exacerbado das redes sociais pode ter sobre nossa vida, sociedade e democracia.

No Brasil, termos como “excluir Instagram“; “desativar notificações” e “desativar temporariamente” também estão sendo mais procurados: 100%, 110% e 120%, respectivamente. Com a pandemia do novo coronavírus, nossa presença online cresceu de maneira compreensível, porém, esses hábitos podem fazer mais mal do que bem.

Embora os números demonstrem que o filme chamou a atenção das pessoas, os comentários nas próprias redes sociais, também analisados pela Decode, revelam que o conteúdo não refletiu numa mudança prática. “Tentamos levantar dados que possam indicar novas tendências de comportamento e há uma crescente procura por formas de desativar perfis nas redes. Se levarmos em conta que a própria Netflix se beneficia dos mesmos algoritmos sociais para investir em seus produtos, essa onda também pode estar tendo efeitos previsíveis e desejáveis”, diz Lucas Fontelles, analista da Decode.


Fonte: Correio 9

Comentários Facebook


Facebook


Newsletter


Inscreva-se no boletim informativo da Folha do ES para obter suas atualizações e novidades semanais diretamente em seu e-mail.

© 2020 Folha do ES. Todos os direitos reservados.