Folha do ES
Ter, 18 de Mai
HECI

Home   Geral     Mundo


Estudo aponta risco maior de trombose cerebral em quem teve covid-19

Estudo aponta risco maior de trombose cerebral em quem teve covid-19

  Por Raphael Gomes

  15.abril.2021 às 11:22

Um estudo divulgado nesta quinta-feira, 15, pela Universidade de Oxford mostra que o risco de pacientes diagnosticados com covid-19 apresentarem casos de trombose cerebral é cerca de dez vezes maior do que entre as pessoas vacinadas. Para os cientistas que assinam a pesquisa, isso ajuda a contextualizar os casos raros de coagulação observados em vacinados e mostra os reais riscos e benefícios das vacinas contra a covid-19.

Para a análise, os cientistas consideraram a incidência de trombose venosa cerebral e trombose da veia porta (que leva sangue dos intestinos para o fígado) nas duas semanas após o diagnóstico da covid-19. O estudo incluiu dados anonimizados de 513.284 pacientes, a maioria dos Estados Unidos, disponíveis na plataforma TriNetX, que reúne informações sobre saúde.

Entre os registros observados, 20 pessoas apresentaram trombose venosa cerebral, uma incidência de 39 casos por milhão de pessoas. A taxa é cerca de dez vezes maior do que a observada entre as pessoas que receberam as vacinas da Pfizer ou da Moderna (4,1 em um milhão) e oito vezes maior do que a observada entre os imunizados com a vacina de Oxford/AstraZeneca (5 por milhão).

Outros 224 pacientes tiveram trombose da veia porta após duas semanas do diagnóstico de covid, taxa de 436,4 casos por milhão. Esse índice é 9,5 vezes maior do que o observado entre aqueles que receberam as vacinas da Pfizer e da Moderna (44,9 por milhão) e 272 vezes superior ao relatado por pessoas vacinadas com o imunizante de Oxford/AstraZeneca (1,6 por milhão).

Na população em geral, a taxa de incidência de trombose cerebral em qualquer período de duas semanas é de 0,77 por milhão, enquanto a de trombose da veia porta é de 4,1 por milhão.

Nas últimas semanas, casos de coagulação sanguínea relacionados às vacinas contra a covid-19 surgiram em diversos países. Os primeiros estavam ligados ao imunizante de Oxford/AstraZeneca e mais recentemente surgiram casos vinculados às vacinas da Pfizer, da Moderna e da Janssen - que ainda estão em investigação.

Depois de várias análises, a Agência Europeia de Medicamentos (EMA, na sigla em inglês) confirmou a relação dos casos com o imunizante de Oxford, dizendo que esse efeito colateral é muito raro. A agência e a Organização Mundial de Saúde (OMS) destacaram que o benefício da vacina é superior ao risco que a mesma oferece.


Fonte: Vitória News

Comentários Facebook


Facebook


Newsletter


Inscreva-se no boletim informativo da Folha do ES para obter suas atualizações e novidades semanais diretamente em seu e-mail.

© 2021 Folha do ES. Todos os direitos reservados.