Folha do ES
Qui, 9 de Jul
Cofril 02

Home     Geral


HECI: Live cancêr de boca

HECI: Live cancêr de boca

Bucomaxilo do Hospital Evangélico alerta, em LIVE, para os riscos do tabagismo

  Por Yasmin Silva

  28.maio.2020 às 17:43

O quinto mês do ano se fecha chamando atenção para uma causa muito séria no mundo todo: a questão do tabaco. Por isso, em 31 de maio é celebrado o Dia Mundial Sem Tabaco, com o intuito de conscientizar a todos sobre os efeitos nocivos do uso deste produto e alertar sobre doenças e mortes relacionadas ao tabagismo.

E quem pensa que essas doenças são somente as de cunho respiratórias, muito em evidência no momento atual com a pandemia da Covid-19, engana-se. Apesar de matar milhões de indivíduos todos os anos, o câncer de boca tem grande incidência, principalmente em homens, chegando a atingir quase 12 mil por ano, ocupando a quarta colocação dos tipos de câncer com maior incidência entres o sexo masculino, segundo o Instituto Nacional do Câncer (INCA). Nas mulheres, ocupa a 12ª posição no Brasil.

Nesta sexta-feira, o Hospital Evangélico de Cachoeiro de Itapemirim (HECI) promove uma LIVE, a partir das 11h, nas redes sociais, com o cirurgião dentista bucomaxilo Valério Resende para explicar mais sobre esse tipo de câncer.

Saiba Mais:

Mas o que é o câncer de boca? Assim como qualquer tipo de câncer, é o crescimento celular descontrolado, gerando células anormais neoplásticas e com capacidade de invadir outros órgãos. Neste caso, acomete a cavidade bucal e os lábios. Os grandes fatores de risco desta doença estão ligados ao estilo de vida das pessoas. O principal fator de risco, que atinge 90% dos casos é fumar.

Mas também existem aqueles em que consumir bebidas alcoólicas e má higiene bucal também podem contribuir para o surgimento da doença, porém já se observa um aumento na incidência deste câncer associado ao vírus sexualmente transmissível HPV. Nos lábios, a exposição aos raios UVA e UVB sem o uso de um protetor solar adequado tem sido um risco extra.

Os sintomas geralmente são sutis e indolor. Por esse motivo, as pessoas demoram a procurar o especialista e quando o fazem a doença já está em estágio avançado. Os Sintomas mais comuns são: ferida que não cicatriza em duas semanas, aumento do volume da gengiva ou da língua, sangramento repentino em qualquer lugar do lábio ou da boca, mancha branca e/ou úlcera no lábio, nódulo na boca e/ou no pescoço e desconforto no uso de prótese que já eram usadas.

O cirurgião dentista bucomaxilo Valério Resende alerta que a qualquer sinal de lesão, procure um profissional especializado e faça uma avaliação adequada e para que o tratamento possa ser iniciado o mais rápido possível. "Quanto mais cedo for detectado, as chances de cura serão bem maiores", disse.

A prevenção é muito simples. Basta evitar os fatores de risco e manter sempre uma higiene bucal adequada. Recomenda-se escovar os dentes quatro vezes ao dia, com escova macia, fazendo uso do fio dental. E também, manter uma dieta rica em vitaminas, minerais e proteínas.


Fonte: folhadoes.com

Comentários Facebook


Facebook


Newsletter


Inscreva-se no boletim informativo da Folha do ES para obter suas atualizações e novidades semanais diretamente em seu e-mail.

© 2020 Folha do ES. Todos os direitos reservados.