Folha do ES
Dom, 9 de Ago
30 anos da FOLHA DO ES

Home   Judiciário     Espírito Santo


Mulher que teve rosto queimado em procedimento estético, em Cachoeiro será indenizada

Mulher que teve rosto queimado em procedimento estético, em Cachoeiro será indenizada

  Por João Machado

  09.junho.2020 às 11:19

O juiz titular da 2ª Vara Cível de Cachoeiro de Itapemirim julgou parcialmente procedentes os pedidos indenizatórios ajuizados por uma mulher que sofreu lesões corporais após um procedimento estético. Na sentença, o magistrado condenou a parte requerida ao pagamento de R$ 5 mil, a título de danos morais.

A autora narrou nos autos que contratou os serviços da médica dermatologista para realizar clareamento de olheira, depilação do buço e correção de cicatrizes nas maçãs do rosto. Após iniciar o tratamento, ela relatou ter sentido fortes dores, em decorrência da aplicação de ácido em seu rosto, no entanto a profissional explicou que em 4 dias a paciente estaria apta a retornar ao trabalho, normalmente.

Ainda conforme o relato, a requerente afirmou que, ao observar seu rosto no consultório, percebeu as queimaduras e questionou a médica sobre o resultado, sendo informada de que durante o procedimento ela havia “se empolgado” e feito “um peeling médio combinando dois ácidos”, o que não havia sido autorizado pela autora.

Danos morais

Por essa razão, a requerente ficou impossibilitada de exercer sua atividade de esteticista por uma semana e, ainda, apresenta queimaduras no corpo, motivo pelo qual requereu a condenação da ré em danos materiais, morais e estéticos.

Em resposta, a requerida sustentou que não cometeu erro médico e o procedimento foi previamente acordado, por meio de permuta de serviços realizados entre as partes. A profissional explicou que prescreveu para a autora o uso de dois medicamentos e vaselina para quando surgisse a descamação da pele. Na contestação, a médica confirmou reclamação de ardência pela autora, o que é reação comum, contudo deu continuidade ao serviço, uma vez que houve concordância da parte requerente.

Apesar de a autora ter ligado relatando mal-estar, a ré afirmou que ela só compareceu ao consultório 10 dias depois do relato, explicando que havia passado no rosto remédio que não fora indicado. Nessa ocasião, a paciente solicitou a quantia referente aos danos estéticos causados em seu corpo, o que foi negado pela profissional devido à permuta acordada entre elas.

Sentença

Na análise do caso, o juiz descreveu a relação existente entre o médico e o paciente. “Entre o médico e o paciente se estabelece, de regra, uma obrigação de meio (salvo nos procedimentos estéticos), sendo necessário o emprego de métodos adequados, atenção e zelo, sem a garantia de cura ou resultado, de modo que o profissional somente poderá ser responsabilizado pelos eventuais danos infligidos aos seus pacientes quando ficar demonstrada a sua culpa, materializada através da negligência, imprudência, imperícia ou erro grosseiro”, explicou.

A partir do conjunto probatório, o magistrado verificou que não houve, necessariamente, erro médico, contudo a requerida não tomou os devidos cuidados durante o tratamento estético.

“Do conjunto probatório carreado para o bojo dos autos – documentos, perícia e depoimentos pessoais – exsurge que a pretensão autoral procede – parcialmente – porque ainda que não tenha propriamente havido erro médico no proceder da ré, ela malferiu ditames da Resolução nº2217/2018 do Conselho Federal de Medicina que instituiu o Código de Ética Médica, do Código de Defesa do Consumidor e recomendações básicas da ciência dermatológica, isto é, faltou com o dever de cuidado antes da realização do procedimento”, diz a sentença.

O juiz observou que o prontuário não fora elaborado de forma correta, faltando informações relevantes para o cuidado com a paciente. Além disso, não houve comprovação clara de autorização da autora na técnica utilizada.

“Nesta toada é que estou convencido de que a ré, ao não fazer um teste prévio na pele da autora e não lhe exigir um ‘termo de consentimento informado’, foi negligente e por isso tem o dever de indenizar […]”, concluiu o magistrado sentenciante.

Os pedidos indenizatórios por danos materiais e estéticos requeridos pela autora não foram acolhidos por falta de prova suficiente.


Fonte: Dia a Dia es

Comentários Facebook


Facebook


Newsletter


Inscreva-se no boletim informativo da Folha do ES para obter suas atualizações e novidades semanais diretamente em seu e-mail.

© 2020 Folha do ES. Todos os direitos reservados.