Folha do ES
Dom, 25 de Jul
Receitas

Home   Judiciário     Espírito Santo


Tribunal de Justiça disse que anulou sentença comprada. É mentira!

Tribunal de Justiça disse que anulou sentença comprada. É mentira!

Desembargadora Elisabeth Lordes disse, equivocadamente, que a Corte anulou a decisão comprada. Construiu uma informação fake.

  Por Jackson Rangel Vieira

  18.julho.2021 às 20:11Atualizado em 18.julho.2021 às 20:36

Aos 30min e 10s do vídeo da sessão realizada na última quinta feira, 15, a Desembargadora Elisabeth Lordes disse que o Tribunal de Justiça do Espírito Santo mudou a decisão comprada. Isso é mentira. A Gazeta e outros estão dando informação errada. A FOLHA checou.

trecho 30min10s do voto da Relatora, em que errou ao afirmar que Tribunal anulou a sentença comprada.


Leia a íntegra da decisão do Tribunal que mantém a sentença e desmente sua versão.


A Desembargadora Elisabeth Lordes é a relatora da Operação "Alma Viva". Ao dizer, equivocadamente, que a Corte anulou a decisão comprada, a magistrada quis usar como argumento de defesa da Instituição.

Ocorre que esse raciocínio, se vale para um lado, vale também para o lado contrário: o Tribunal, ao confirmar a sentença comprada, não ganha o atestado de credibilidade e lisura que a Desembargadora quis dar. Longe disso, aliás.

A Corte capixaba foi avalista da decisão corrupta. Isso ocorreu em julgamento presidido pelo Desembargador Carlos Simões, muito íntimo do magistrado afastado, a quem considerava "como um filho" (1h27min34s do vídeo da sessão de julgamento ocorrida na última quinta feira, 15)

O que causa estranheza é que os desembargadores do TJ-ES primeiro anularam a sentença, aceitando recurso do Ministério Público. Depois, no recurso de embargos de declaração, eles rejeitaram o recurso do MP, confirmando a decisão comprada.

O meio jurídico sabe que os embargos de declaração não mudam nenhuma decisão. Servem apenas para esclarecer uma decisão já tomada. O que vale é a primeira decisão dos Desembargadores, no recurso principal.

Se a sentença foi comprada e estava errada, por qual motivo o Tribunal de Justiça manteve a decisão? Ainda mais em condições tão estranhas, primeiro anulando e depois mantendo a sentença?

Com a palavra, o Tribunal do Justiça do Espírito Santo.


REPONDO A VERDADE:




Fonte: folhadoes.com

Comentários Facebook


Facebook


Newsletter


Inscreva-se no boletim informativo da Folha do ES para obter suas atualizações e novidades semanais diretamente em seu e-mail.

© 2021 Folha do ES. Todos os direitos reservados.