Folha do ES
Sáb, 20 de Jul
FESTA NA ROÇA - HECI

Home   Polícia     Brasil


Homem mata filha em ‘ataque de raiva’ por valor da pensão da irmã

Homem mata filha em ‘ataque de raiva’ por valor da pensão da irmã

O corpo de Aline Miotto Nadolny foi encontrado ao lado da Colônia Penal Agrícola em Piraquara, na Região Metropolitana de Curitiba, no dia 6 de junho.

  Por Redaçao

  15.junho.2019 às 10:48

O homem suspeito de ter matado a filha, que era terapeuta ocupacional, agiu em momento de um “ataque de raiva” motivado por uma desavença sobre o valor da pensão da irmã mais nova da vítima, de acordo o delegado de Piraquara e responsável pela investigação, Reinaldo Zequinão.

O corpo de Aline Miotto Nadolny foi encontrado ao lado da Colônia Penal Agrícola em Piraquara, na Região Metropolitana de Curitiba, no dia 6 de junho.

Nesta sexta-feira (14), o delegado deu detalhes sobre o caso.

A motivação seria um desacordo que ele mantinha com a mãe da vítima sobre o valor de uma pensão de uma irmã menor da vítima. Ele foi atrás dela para que ela intermediasse uma redução dessa pensão”, disse o delegado.

Segundo o delegado, Luiz Carlos Nadolny matou Aline porque ela se recusou a entrar no meio da confusão dos pais. A terapeuta ocupacional tinha 27 anos.

Em razão disso, ele teve um rompante de ódio e partiu para cima dela, afirmou o delegado. A defesa do suspeito disse à RPC que, por enquanto, não vai se manifestar.

Luiz Carlos Nadolny foi preso preventivamente, ou seja, por tempo indeterminado, na quinta-feira (13), quando também prestou depoimento e confessou o crime.

Já no primeiro momento que o pessoal da investigação o abordou, ele já confessou. Admitiu a participação no crime, na autoria do crime. No interrogatório formal, também confessou, contou o delegado.

Esganadura

O suspeito, de 48 anos, relatou à Polícia Civil que esganou a filha e que a jovem, conforme o delegado, desfaleceu e morreu dentro do carro. O Instituto Médico-Legal (IML) já tinha apontado que causa da morte de Aline foi esganadura.

O superintendente da Delegacia de Piraquara, Job de Freitas, contou que Luiz Carlos Nadolny costumava ter um bom relacionamento com a filha, mas que fazia três anos que eles não se encontravam.

Quando ele estava matando, a menina falava: ‘pai, eu te amo, contou o superintendente.


Fonte: G 1

Comentários Facebook


Facebook


Newsletter


Inscreva-se no boletim informativo da Folha do ES para obter suas atualizações e novidades semanais diretamente em seu e-mail.

© 2019 Folha do ES. Todos os direitos reservados.