Folha do ES
Qua, 12 de Ago
30 anos da FOLHA DO ES

Home   Polícia     Espírito Santo


Investigadores acusam Chefe da Polícia Civil de crimes e improbidade

Investigadores acusam Chefe da Polícia Civil de crimes e improbidade

A PETIÇÃO FOI ASSINADA PELA ASSINPOL NO MPF CONTRA O DELEGADO GERAL, JOSÉ DARCY ARRUDA (FOTO)

  Por Jackson Rangel Vieira

  08.julho.2020 às 21:51Atualizado em 09.julho.2020 às 09:34

A associação dos Investigadores de Polícia do Espírito Santo (ASSINPOL) acusam o Delegado Geral da Polícia Civil, José Darcy Arruda, de ter cometidos de improbidade administrativa e crimes na prevenção ao COVID-19.

Segundo a nota oficial da categoria, Arruda agiu dolosamente e ilegalmente no fornecimento no fornecimento de máscaras com prazo de validade vencido, além de álcool e gel impróprios para a prevenção dos policiais.

A denúncia virou uma representação contra o Chefe da Polícia Civil no Ministério Público Federal para apurar praticas de crimes de improbidade , além de outros previsto na legislação. Até vídeos de inspeção foram anexadas ao processo contra Arruda.

Outras denúncias estão em curso contra o Delegado Geral como perseguição seletiva em transferência de delegados e apropriação indébita como distribuição de gratificações sem critérios legais.


ASSINPOL REPRESENTA POR IMPROBIDADE ADMINISTRATIVA E APURAÇÃO CRIMINAL CONTRA DELEGADO GERAL DA PCES JUNTO AO MPF

A Associação dos Investigadores de Polícia do Espírito Santo - ASSINPOL, mediante seu jurídico, representou ao Ministério Público Federal para apurar prática de improbidade administrativa e possíveis crimes previstos no artigo 132 e 268 do Código Penal por parte do Delegado Geral da Polícia Cívil, José Darcy Arruda.

Na representação a ASSINPOL alega que o Delegado Geral José Darcy Arruda agiu com ilegalidade ao fornecer máscaras com prazo de validade expirado e álcool inadequado para a prevenção à saúde dos policiais civis, gerando risco a vida e integridade física e infrações às medidas sanitárias declaradas pelas autoridades.

Na representação foram juntadas imagens das máscaras vencidas e do álcool 46° GL ( incompatível para prevenção à COVID-19) e vídeos de inspeção em delegacias que comprovam as infrações.

Os fatos serão apurados pelo Ministério Público Federal .

A associação dos Investigadores de Polícia do Espírito Santo

ASSINPOL


LEIA NA ÍNTEGRA A REPRESENTAÇÃO : CLIQUE


Fonte: folhadoes.com

Comentários Facebook


Facebook


Newsletter


Inscreva-se no boletim informativo da Folha do ES para obter suas atualizações e novidades semanais diretamente em seu e-mail.

© 2020 Folha do ES. Todos os direitos reservados.