Folha do ES
Sex, 22 de Nov
VITIMAS TRANSITO

Home   Política     Espírito Santo


Deputado apela ao Bolsonaro contra apreensão de veículos

Deputado apela ao Bolsonaro  contra apreensão de veículos

Enivaldo dos Anjos

  Por Redação

  06.novembro.2019 às 18:43

Cansado de combater o assunto da tribuna da Assembleia e mesmo da presidência da CPI da Máfia dos Guinchos, o deputado estadual Enivaldo dos Anjos (PSD) apelou ao Presidente da República, Jair Bolsonaro, para que mude o Código de Trânsito Brasileiro para acabar com a apreensão de veículos por agentes de trânsito nos procedimentos relativos a irregularidade na documentação de veículos em circulação no País.

A ação do parlamentar foi motivada pelo relato feito nas redes sociais por uma condutora que foi deixada à beira da estrada por policiais rodoviários federais, na BR 262, porque o IPVA (Imposto sobre Propriedade de Veículo) estava atrasado. No mesmo relato, outra pessoa comentou sobre uma família deixada à beira da estrada mesmo estando a conduzir uma criança com deficiência física e que necessitaria, no caso, chamar uma ambulância para conduzi-la.

“Recolher o veículo por atraso no IPVA é a mesma coisa que expulsar a pessoa de casa porque o IPTU está atrasado. Minha pergunta é: qual o risco que esse condutor traz por estar com um imposto atrasado? É uma desumanidade e o cidadão hoje fica nas mãos do agente público. Se o agente quiser, pode lavrar uma guia e liberar o veículo, mas essa discricionariedade depende do bom senso do agente e parece que essa é uma virtude em falta hoje em nosso País”, disse Enivaldo.

O deputado argumentou ainda, no documento enviado ao Presidente da República, que da forma como está hoje o Código de Trânsito dá margem à corrupção: “Como presidente da CPI da Máfia do Guincho na Assembleia Legislativa, desde 2015, pude constatar que o procedimento atual estabelecido pelo CTB não é uniforme e possibilita o surgimento de conluio de maus agentes públicos e empresas de reboque de veículos no sentido de lesar o cidadão brasileiro”.

No documento a Bolsonaro, Enivaldo dos Anjos pede que o Presidente encaminhe ao Congresso Nacional um Projeto de Lei alterando a Lei 9.602, de 21 de janeiro de 1998, também conhecida como Código de Trânsito Brasileiro, no seu artigo 230, inciso V, no sentido de estabelecer que a autoridade de trânsito, em todos os níveis, mude o procedimento relativo a irregularidade na documentação de veículos em circulação no País.

“Minha sugestão é que, em todos os casos que envolvam licenciamento anual ou IPVA (Imposto sobre Propriedade de Veículos Automotores) vencidos, o agente público de trânsito lavre o auto de infração e retenha a documentação existente, libere o veículo e lavre uma guia especial de circulação do veículo com validade de 15 (cinco) dias uteis para o proprietário providenciar a regularização”, esclarece Enivaldo.

Na sugestão, Enivaldo acrescenta que “com o documento original em mãos, devidamente regularizado, o proprietário deverá comparecer a um órgão de trânsito em sua jurisdição para providenciar a baixa da restrição, que deverá ser registrada no sistema no ato da emissão da guia”.

E finaliza: “Essa medida possibilitará o fim do constrangimento a que condutores são submetidos em ruas e rodovias do País, em muitos casos com famílias inteiras sendo deixadas à margem das vias públicas, em flagrante violação aos direitos humanos, enquanto o veículo é retido e apreendido, sendo levado para depósitos, geralmente, particulares. Ou seja, neste caso os bens materiais estão sendo considerados mais importantes do que as pessoas”.

Como ficaria o Artigo 230 do CTB: “Art. 230. Conduzir o veículo: I - com o lacre, a inscrição do chassi, o selo, a placa ou qualquer outro elemento de identificação do veículo violado ou falsificado; II - transportando passageiros em compartimento de carga, salvo por motivo de força maior, com permissão da autoridade competente e na forma estabelecida pelo CONTRAN; III - com dispositivo anti-radar; IV - sem qualquer uma das placas de identificação; V - com qualquer uma das placas de identificação sem condições de legibilidade e visibilidade: Infração - gravíssima; Penalidade - multa e apreensão do veículo; Medida administrativa - remoção do veículo; VI - que não esteja registrado e devidamente licenciado: Infração - gravíssima; Penalidade - multa e apreensão da documentação; Medida administrativa – emissão de guia de circulação com validade de 15 (quinze) uteis, prazo para regularização da documentação; (...)”


Fonte: folhadoes.com

Comentários Facebook


Facebook


Newsletter


Inscreva-se no boletim informativo da Folha do ES para obter suas atualizações e novidades semanais diretamente em seu e-mail.

© 2019 Folha do ES. Todos os direitos reservados.