Folha do ES
Dom, 25 de Jul
Receitas

Home   Política     Espírito Santo


Movimento Cachoeiro tem meta de 10 mil assinaturas contra IPTU abusivo

Movimento Cachoeiro tem meta de 10 mil assinaturas contra IPTU abusivo

O movimento lançado no início de junho nas redes sociais contra o IPTU e pedindo CEI para investigar a empresa que recebeu R$ 12 milhões para produzir o recadastramento imobiliário do Município com indícios de fraudes.

  Por Jackson Rangel Vieira

  18.julho.2021 às 12:05

O Movimento Cachoeiro, criado nas redes sociais especificamente para combater o IPTU extorsivo lançado pela Prefeitura de Cacheiro de Itapemirim-ES, já alcançou 7 mil de abaixo assinado que será encaminhados à Câmara Municipal, ao Ministério Público e outros órgãos fiscalizatórios. A iniciativa reivindica, também, uma Comissão Especial de Inquérito (CEI) para investigar a empresa que fez o recadastramento imobiliário, suspeita de fraudar a prestação de serviços no valor de R$ 12 milhões.

Hoje, sem apoio da maioria dos vereadores que mudaram de posição com as investidas do prefeito Victor Coelho (PSB) e seu secretariado. O Movimento almeja fechar o abaixo assinado com 10 mil assinaturas e fundamentar uma ação popular e denunciar ao Tribunal de Contas indícios de superfaturamento e serviços fantasmas da empresa SQL que é resultado de adesão de ata de Cariacica ao valor de R$ 12 milhões. A empresa não teria nem autorização, por classificação, do Ministério da Defesa para realizar os trabalhos técnicos.

SQL não tem selo de qualificação da Agência Nacional de Aviação Civil, agência reguladora federal cuja responsabilidade é normatizar e supervisionar a atividade de aviação civil no Brasil, tanto no que toca seus aspectos econômicos quanto no que diz respeito à segurança técnica do setor. Exemplo: autorização para utilizar avião para sobrevoar e fazer o mapeamento do Município. Logo, ela foi no máximo uma atravessadora ou corretora que terceirizou serviços, ganhando uma "gorda comissão" de milhões.

O Movimento Cachoeiro, ao contrário dos parlamentares municipais que se deram, convenientemente, por satisfeitos com desconto de 90% sobre o aumento abusivo do IPTU, como se fosse grande benefício de um lançamento cadastral errado e supostamente fraudulento com até 1000% de aumento, está gritando pelo direito de não pagar nenhum aumento, defendendo a tese de manter o mesmo valor de 2020, porquanto a cidade foi devastada pela maior enchente de sua história em março de 2020, acompanhada da pandemia que destruir postos de empregos e de fechou comércio.

Os integrantes do Movimento, apartidários, estão a um passo de promover nova manifestação no centro da cidade para não deixar o sentimento de indignação morrer.


Fonte: folhadoes.com

Comentários Facebook


Facebook


Newsletter


Inscreva-se no boletim informativo da Folha do ES para obter suas atualizações e novidades semanais diretamente em seu e-mail.

© 2021 Folha do ES. Todos os direitos reservados.