Folha do ES
Ter, 28 de Set
HECI

Home   Política     Espírito Santo


Juiz vendedor de sentença tinha vida de milionário

Juiz vendedor de sentença tinha vida de milionário

Alexandre Farina fez várias viagens internacionais luxuosas com a esposa. Salário de juiz não paga essa esbórnia 

  Por Jackson Rangel Vieira

  24.julho.2021 às 07:48

O juiz afastado esteve nas Ilhas Maldivas na África do Sul, Los Angeles, Alpes Suíços, Sidney, dentre outros destinos badalados, só em 2018 e 2019. Veja fotos:

Farina e esposa em viagens internacionais

Além disso, Farina era visto com frequência na Praia do Canto, bairro nobre da Capital, durante o expediente. Passava o dia degustando vinhos finos em restaurantes caríssimos.

O expediente do magistrado era no Fórum da cidade de Serra, onde quase não comparecia. Alexandre Farina era um caso de juiz fantasma: recebia salário de R$ 38 mil reais sem trabalhar, fora as regalias e gratificações.

Farina passava o dia em negociatas e bebedeiras. Na vida nababesca, o juiz estava quase sempre acompanhado do Deputado Estadual Marcelo Santos. Eram unha e carne, isso era público e notório.

Farina (lado direito) transitava vem no meio político. Na foto, com o deputado estadual Marcelo Santos (lado esquerdo) ???

O padrão de vida de Farina era incompatível com sua renda. Todos esses fatos eram públicos e notórios, de conhecimento geral do mundo jurídico, social e político.

Esse contexto somado ao conteúdo estarrecedor das mensagens de WhatsApp apreendidas no celular do policial Hilário Frasson, levantam novamente a seguinte indagação: por que a Procuradora Geral de Justiça do MP-ES Luciana de Andrade e seus promotores assessores se "esqueceram" de pedir a quebra do sigilo bancário do juiz, apreensão de seu celular e busca em sua residência?

Consideraram irrelevante? Ou temem encontrar algo a mais que obrigue o órgão a atuar, como ocorreu no caso dessas mensagens descobertas por acaso na investigação do homicídio da médica Milena Gotardi, ex-esposa de Hilário Frasson?

Será que o Tribunal de Justiça não vai agir para corrigir essas omissões superficiais na investigação contra o magistrado, inclusive investigando seu padrão de vida incompatível com sua renda?

Poderiam os desembargadores começar um pente fino pela loja da esposa de Farina e suas viagens internacionais. E não criando cortinas de fumaça como a operação nos presídios, para distrair a opinião pública, imprensa e autoridades de Brasília.

JUÍZES DA VARA CÍVEL DE VITÓRIA SÃO O FARINA DE AMANHÃ

Os desembargadores e procuradores também sabem dos juízes da Vara Cível de Vitória que se comportam de maneira idêntica à Alexandre Farina. É o mesmo modus operandi: padrão de vida muito acima do salário, luxúria, elevado crescimento patrimonial, aquisição de imóveis de alto padrão e carros importados, gastos exorbitantes com cartões de crédito e pagamentos com dinheiro em espécie (facilmente rastreáveis).

Usam esposas e companheiras nessas operações, que andam de carros importados e carregam bolsas de R$ 10 mil reais. Filhos estudam em colégios de elite com valor de R$ 5 mil reais a mensalidade.

Um juiz da Vara Cível de Vitória envolvido com Alexandre Farina comprou R$ 20 mil reais de vinhos em Pedra Azul com dinheiro em espécie. O próprio Farina comprou recentemente televisão de alto padrão com R$ 6 mil reais em dinheiro vivo. E não se envergonhou nem se intimidou com os presentes à loja.

Outros magistrados viciados jogam pôquer clandestinamente em mansão na Ilha do Frade, semanalmente, gastando cerca de R$ 100 mil reais de dinheiro em espécie por semana, segundo testemunham fontes presentes.

Em Pedra Azul, há juízes que possuem verdadeiras mansões, com conteúdo suntuoso e faraônico em termos de mobília, tecnológicos e adereços. Em Vitória, suas moradias principais também impressionam, tanto pelo imóvel como pelo seu interior.

Esses magistrados parecem ter se esquecido que optaram por uma carreira pública, com elevado salário, é verdade, porém limitados a um padrão de classe média alta, sem chance de serem milionários, tal como estão se portando.

Beira ao escárnio o que está ocorrendo. É questão de tempo explodir um novo e grande escândalo. A cúpula do MP-ES é responsável por esse quadro, porque se tornou o guardião da impunidade em favor desses agentes. Só agiu - meia boca - no caso do juiz afastado pelas provas irrefutáveis e gravíssimas, mesmo assim tentando proteger Farina.

Tentou claramente, através de omissões dolosas na investigação, fazer a blindagem do magistrado vendedor de sentença, no que fosse possível. A FOLHA viu as manobras e divulgou, colocando o dedo na ferida, chamando atenção até dos mais incautos pelas omissões grosseiras da Procuradora Geral de Justiça e seus promotores assessores na condução da investigação sigilosa.

O fato é que há o retorno de um novo crime organizado nos Poderes e nas Instituições, produtos da ausência de uma liderança estadual forte e comprometida. Nesse vácuo, o absurdo se revela, sem necessidade de palavras, pela foto da "Farra do Maraca".

A cúpula do MP-ES e o Tribunal, nesse ritmo, se tornam cada mais vez "hilários" enquanto instituições capixabas.


Fonte: folhadoes.com

Comentários Facebook


Facebook


Newsletter


Inscreva-se no boletim informativo da Folha do ES para obter suas atualizações e novidades semanais diretamente em seu e-mail.

© 2021 Folha do ES. Todos os direitos reservados.