Folha do ES
Qui, 9 de Dez
Grupo Gleba

Home   Política     Espírito Santo


MPES pede interdição do Mercado do Peixe da Vila Rubim, em Vitória

MPES pede interdição do Mercado do Peixe da Vila Rubim, em Vitória

Laudos da Prefeitura de Vitória e do governo do estado constataram riscos de incêndio e desabamento do prédio.

  Por Raphael Gomes

  20.outubro.2021 às 08:16

O Ministério Público do Espírito Santo (MPES) pediu a interdição do Mercado do Peixe, na Vila Rubim, para a Prefeitura de Vitória - proprietária do imóvel - após laudos que constataram riscos de incêndio e desabamento do prédio.

De acordo com a ação civil, ajuizada pelo MPES, o risco de colapso da estrutura do edifício foi verificado em laudos elaborados pela Prefeitura de Vitória e também pelo governo do estado.

A pedido do MPES, o Corpo de Bombeiros esteve no local para uma vistoria e indicou a necessidade de interdição do prédio.

Por causa disso, o Ministério Público recomendou a interdição imediata do mercado e também das ocupações irregulares de moradores que residem nos pavimentos superiores do imóvel.

Na notificação para a prefeitura, o MPES também recomendou a transferência temporária do mercado para outro local, para evitar o prejuízo econômico dos comerciantes, e a avaliação da situação de cada família que mora nos andares de cima do mercado.

Além da interdição, o Ministério Público pede que a prefeitura:

  • Insira os moradores ocupantes do pavimento superior do mercado em programas habitacionais
  • Disponibilize um local seguro para o exercício da atividade econômica dos comerciantes até a reestruturação do Mercado de Peixes
  • Apresente um plano de reestruturação do mercado
  • Inscreva o Mercado de Peixes da Vila Rubim como patrimônio cultural e imaterial de Vitória

Medida impacta moradores e comerciantes

Marcela Valadão contou que é a moradora mais nova do local e vive em um apartamento sobre o mercado há 18 anos. Segundo ela, os moradores pagam IPTU, contas e têm as escrituras dos imóveis.

De acordo com Marcela, algumas famílias moram no local há quase 50 anos e, com a interdição do prédio, não terão para onde ir. Para ela, faltou comunicação com a Prefeitura sobre a titularidade dos imóveis.

O comerciante Moisés Alves relatou que os trabalhadores foram surpreendidos e defende uma solução do poder público para que continuem trabalhando enquanto a prefeitura resolve os problemas de infraestrutura.

Prefeitura de Vitória

A Prefeitura de Vitória informou que, atendendo a solicitação do MPES, a Defesa Civil foi até o local e constatou a existência de construções não autorizadas e também de um depósito irregular de materiais inflamáveis, como bobinas de tecido e couro.

Segundo a prefeitura, os proprietários foram notificados e retiraram os materiais inflamáveis do local. A Secretaria Municipal de Desenvolvimento da Cidade e Habitação (Sedec) fez o atendimento social das famílias e coletou a documentação.

No entanto, por estarem ocupados de forma irregular em um prédio público, a lei não permite que os moradores sejam enquadrados em programas de habitação.

A prefeitura informou ainda que está em diálogo para resolver o problema e que está dentro do prazo legal para se manifestar quanto à ação judicial.


Fonte: G1 ES

Comentários Facebook


Facebook


Newsletter


Inscreva-se no boletim informativo da Folha do ES para obter suas atualizações e novidades semanais diretamente em seu e-mail.

© 2021 Folha do ES. Todos os direitos reservados.