Entre 4 e 20 de junho, a Polícia Federal (PF) visitou nove propriedades rurais localizadas em Corumbá (MS). Durante a operação, em uma fazenda, houve o resgate de 10 pessoas, que estavam sendo submetidas a condições degradantes de trabalho e moradia. Segundo a corporação, essas pessoas estavam em situação análoga à escravidão.

A ação faz parte da operação de repressão ao trabalho em condições análogas à escravidão, na região do Pantanal do Mato Grosso do Sul. As ações contaram com o apoio de auditores fiscais do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE).

As propriedades rurais estavam todas situadas em locais de difícil acesso. Duas das propriedades apresentaram inconformidades trabalhistas e administrativas. Em uma terceira, foi constatado sinais de alojamento irregular de trabalhadores.

Em uma última propriedade, na região do Paiaguás, Pantanal matogrossense, os trabalhadores estavam isolados em meio à mata e impossibilitados de deixar o local. Esta mesma propriedade havia sido alvo de denúncias.

Segundo a PF, diante da situação, o empregador deve arcar com indenizações trabalhistas e por danos morais e está sujeito à responsabilização pelo crime de redução a condição análoga à escravidão.