Segundo informações fornecidas pelo Ministério da Saúde, até a semana 20 deste ano, o Brasil registrou um total de 3 mil mortes por dengue, em comparação com 867 óbitos no mesmo período do ano anterior. Esse número representa o maior registro de mortes por dengue desde que os dados começaram a ser registrados em 2000, superando os registros anteriores de 1.179 óbitos em 2023 e 1.053 óbitos em 2022.

Os dados do Painel de Arboviroses do Ministério da Saúde revelam uma situação alarmante nas primeiras vinte semanas de 2024, com um total de 5.213.564 casos de dengue reportados, estabelecendo um novo recorde desde o início da série histórica. Além das 3 mil mortes confirmadas, há também 2.666 óbitos em processo de investigação.

No mês de fevereiro deste ano, a secretária de Vigilância em Saúde do Ministério da Saúde, Ethel Maciel, fez um alerta de que a estimativa para 2024 era de 4,2 milhões de casos de dengue no país. No entanto, antes mesmo do término do primeiro semestre, essa projeção já foi ultrapassada, ressaltando a seriedade da situação.

Os estados que mais sofrem com a doença são São Paulo, onde foram confirmadas 805 mortes, seguido por Minas Gerais, com 519 óbitos, Paraná, com 367, e Distrito Federal, com 365.

Em contrapartida, até o momento, nenhum óbito por dengue foi registrado nos estados do Acre e Roraima, destacando as disparidades regionais na prevalência da doença.