Folha do ES
Qua, 12 de Ago
30 anos da FOLHA DO ES

Home   Economia     Espírito Santo


Procon de Cachoeiro divulga pesquisa de preços de material escolar

Procon de Cachoeiro divulga pesquisa de preços de material escolar

O órgão de defesa do consumidor conferiu os valores de 39 produtos, de diferentes marcas, em nove papelarias

  Por Redação

  15.janeiro.2020 às 09:32Atualizado em 15.janeiro.2020 às 09:50

O Procon de Cachoeiro acaba de divulgar a sua tradicional pesquisa de preços dos materiais escolares mais procurados na época de volta às aulas.

O órgão de defesa do consumidor conferiu os valores de 39 produtos, de diferentes marcas, em nove papelarias do município.

A maior diferença está no item fichário, que custa de R$ 11,90 até R$ 79. Em seguida, estão a caixa de lápis com 24 cores, que varia de R$ 7,95 a R$ 34,80, a agenda escolar permanente, que varia de R$ 7,50 a R$ 19,99, e o caderno de 20 matérias, que varia de R$ 18,40 a R$ 29,90.

Considerando a compra de todos os itens em um só estabelecimento, a menor conta fica em R$ 158,70 e a maior, em R$ 256,22.

"A finalidade do levantamento de preços é nortear a escolha dos consumidores, cabendo a eles, dentro de seu particular orçamento doméstico, buscar as melhores opções para compras", afirma o coordenador interino do Procon, Ricardo Silva Fonseca.

A tabela completa dos preços está disponível no site da Prefeitura de Cachoeiro (www.cachoeiro.es.gov.br), na área do Procon, em 'Pesquisas de preços'.

Dicas

O Procon de Cachoeiro aproveita a divulgação da pesquisa para orientar os consumidores sobre como economizar e evitar transtornos na hora de comprar os materiais escolares. Confira algumas recomendações:

– O consumidor deve, antes de sair às compras, verificar quais os itens que restaram do período letivo anterior e avaliar a possibilidade de reaproveitá-los. Portanto, é importante pesquisar preços em diferentes estabelecimentos.

– Sempre que possível, reúna um grupo de consumidores e discuta a possibilidade de descontos com os estabelecimentos, pois alguns oferecem essa alternativa para compras em grandes quantidades.

– Guardar a nota fiscal dos produtos adquiridos também é uma recomendação, para que, caso haja algum problema, o consumidor tenha seus direitos resguardados pelo Código de Defesa do Consumidor. Os prazos para reclamar são: 30 dias para produtos não duráveis e 90 dias para os duráveis (no caso de vícios aparentes).

– Evite comprar em ambulantes, pois, apesar dos preços mais baixos, o comércio informal não fornece nota fiscal, o que pode dificultar a troca ou assistência do produto, se houver necessidade.

– Produtos com personagens, logotipos e acessórios licenciados, geralmente, são mais caros e os favoritos de crianças e adolescentes, porém, nem sempre o material mais sofisticado é o de melhor qualidade ou o mais adequado.

– Outra dica importante é ficar de olho nas embalagens de materiais, como colas, tintas, pincéis atômicos, fitas adesivas, por exemplo, que devem contar informações claras, precisas e em língua portuguesa a respeito do fabricante, importador, composição, condições de armazenagem, prazo de validade e se apresentam algum risco ao consumidor.

– O Procon alerta que as escolas não podem solicitar a compra de materiais de uso coletivo, como material de higiene e limpeza ou taxas para suprir despesas com água, luz e telefone; nem exigir a aquisição de produtos de marca específica e determinar a loja ou livraria onde o material deve ser comprado.


Fonte: PMCI

Comentários Facebook


Facebook


Newsletter


Inscreva-se no boletim informativo da Folha do ES para obter suas atualizações e novidades semanais diretamente em seu e-mail.

© 2020 Folha do ES. Todos os direitos reservados.