Folha do ES
Seg, 26 de Out

Home   Política     Brasil


Mário Frias chora e abre o jogo sobre situação de Regina Duarte no governo

Mário Frias chora e abre o jogo sobre situação de Regina Duarte no governo

Mario Frias voltou a falar sobre Regina Duarte

  Por João Machado

  29.julho.2020 às 15:46

Mário Frias abriu o jogo sobre a Regina Duarte, que foi substituída por ele na Secretaria Especial de Cultura do governo Bolsonaro. Segundo o ator, a famosa terá um novo cargo para cuidar da Cinemateca Brasileira. A instituição é responsável pela proteção da produção audiovisual do país.

Em entrevista para a rádio Jovem Pan, o secretário afirmou: “A Regina é um ícone que faz parte da nossa história, merece todo o respeito. É um pedido pessoal do presidente da República”.

“Existe, sim, a possibilidade de ser criada uma secretaria para ela cuidar da Cinemateca e ela vai ser tratada com toda dignidade que merece. Assim que o imbróglio jurídico se resolver, a Regina Duarte vai ter um lugar de destaque na Cinemateca”, acrescentou ele.

Mário Frias, porém, falou sobre a atual situação jurídica da Cinemateca. “A minha primeira ação como secretário foi fazer uma visita técnica. O contrato acabou em 2019 e não foi renovado. O acervo e os profissionais deveriam ser muito valorizados porque são profissionais únicos. Não tenho dúvida nenhuma de que aquele acervo é do povo brasileiro”, disse.

“Há um imbróglio jurídico, a meu ver lamento o fato de as pessoas não estarem pensando no acervo e no potencial que aquilo tem. Juridicamente a gente não pode intervir nesse momento enquanto não há uma solução. Há um movimento muito forte tanto meu quanto do ministro do Turismo Marcelo Álvaro Antônio. Temos um projeto emergencial para ajudar”, acrescentou ele.

O famoso chegou a chorar ao falar sobre incentivo ao esporte nas escolas e citar o ex-jogador de vôlei Bebeto de Freitas (1980-2018), seu tio.

“Até me emociono aqui ao falar do Bebeto, porque ele sempre se posicionou como um cara muito correto. Ele acreditava profundamente que o esporte só serve para incluir, para tirar o jovem da periferia”, confessou.

“O atleta, ele aprende que o sacrifício é mais importante do que o resultado final. Me emociono, sim, porque foi uma luta do Bebeto a vida inteira: fazer com que o voleibol chegasse às periferias”, completou.


Fonte: RD1

Comentários Facebook


Facebook


Newsletter


Inscreva-se no boletim informativo da Folha do ES para obter suas atualizações e novidades semanais diretamente em seu e-mail.

© 2020 Folha do ES. Todos os direitos reservados.