Folha do ES
Sáb, 19 de Jun
Receitas

Home   Política     Brasil


CPI decide tornar públicos documentos classificados como sigilosos

CPI decide tornar públicos documentos classificados como sigilosos

Senadores resolveram reclassificar material enviado à comissão, mantendo secretos apenas os previstos em lei

  Por Raphael Gomes de Souza

  09.junho.2021 às 12:14

Inundada por cerca de 500 gigabytes de documentos recebidos até o momento, a CPI da Pandemia no Senado decidiu nesta quarta-feira reclassificar materiais classificados como sigilosos pelos órgãos que os enviaram à comissão.

A determinação foi aprovada pelos senadores após reclamações de membros da CPI sobre a dificuldade de ter acesso aos documentos secretos, que só podem ser vistos por quem tem autorização. O senador Eduardo Girão, por exemplo, reclamou de problemas técnicos para acessar os materiais.

“Nós estamos diante de um acumulado enorme de informações, e tem um pecado original: é que a maioria das informações chegam sob sigilo. A lei que estabelece sigilo, estabelece critérios. Esta Comissão Parlamentar de Inquérito, sob pena de prejudicar o aprofundamento da própria investigação, ela não pode concordar com a classificação ilegal, sem sustentação judicial, legal, formal para os sigilos que foram classificados”, justificou o relator da CPI, o senador Renan Calheiros.

Ele explicou que apenas serão mantidos sob sigilo os documentos que a lei estabelece desta forma, como informações bancárias, fiscais, assuntos de segurança nacional e de interesse do Estado brasileiro.

O requerimento de Calheiros foi aprovado em votação simbólica. A reclassificação será feita pela Coordenação de Comissões Especiais Temporárias e de Inquérito da Secretaria-Geral da Mesa do Senado.

Para apoiar a mudança, o presidente da CPI, Omar Aziz, disse que também está tendo dificuldades em acessar documentos que ele mesmo solicitou e citou o exemplo de um ofício classificado como secreto pelo Itamaraty, que ele só soube por meio de reportagem publicada nesta quarta pelo jornal O Globo.

O Ministério das Relações Exteriores enviou à comissão um documento que reproduz uma carta enviada pela Embaixada do Brasil em Pequim com o relato de uma reunião ocorrida no dia 19 de maio na capital chinesa entre diplomatas e representantes brasileiros com o presidente da SinoVac, Weidong Yan.

O chefe da farmacêutica privada cobrou uma mudança de posicionamento do governo brasileiro para garantir o envio de insumos ao Instituto Butantan para a produção da vacina CoronaVac, duas semanas depois de o presidente Jair Bolsonaro fazer novos ataques à China.


Fonte: Veja

Comentários Facebook


Facebook


Newsletter


Inscreva-se no boletim informativo da Folha do ES para obter suas atualizações e novidades semanais diretamente em seu e-mail.

© 2021 Folha do ES. Todos os direitos reservados.