Folha do ES
Sex, 21 de Fev
CARNAVAL GOVERNO

Home   Economia     Espírito Santo


Tomate deve registrar até 30% de aumento nos supermercados

Tomate deve registrar até 30% de aumento nos supermercados

Os números são de uma pesquisa da Apas ( Associação Paulista de Supermercado), que analisou o valor dos principais legumes, frutas e verduras

  Por Redação

  06.fevereiro.2020 às 18:24

O tomate é novamente o vilão dos preços nos supermercados. Nos primeiros três meses deste ano, ele deve aumentar em até 30%. Já o limão é o que deve registrar a maior queda no preço no mesmo período, de até 40%.

Uma série de fatores influenciam os preços das frutas, legumes e verduras, como a sazonalidade, a alta procura e a distribuição. Por isso, é bom saber para poder economizar na hora da compra. No caso do tomate, como a demanda pelo item é sempre grande, já que faz parte dos produtos mais consumidos pelos brasileiros, a baixa oferta aumenta os preços.

Veja a variação dos preços, segundo pesquisa da Apas:

Divulgação/Apas

Saiba por que os preços variam e como economizar

Limão - O aumento do limão acontece no segundo semestre quando entra em fim de safra e entressafra à partir de agosto. Em janeiro inicia-se a safra da fruta e a colheita vai de fevereiro até julho. O consumo do produto associado com bebidas alcoólicas é comum em grande parte dos coquetéis de verão.

Banana - A banana nanica fica de entressafra em janeiro e fevereiro e só retorna em março. A redução de 3% na área de colheita somado ao granizo no Vale do Ribeira em São Paulo contribuem para que o primeiro trimestre registre um aumento de 8%.

Maçã - A entressafra da maçã fuji acontece em novembro e dezembro. A safra começa em março. Em 2020, a Apas estima aumento de até 9% por conta do atraso da colheita da maça tipo gala devido o inverno mais ameno e as chuvas em Santa Catarina que reportam mais doenças.

Tomate - O último trimestre de 2019 fechou com preços em baixa devido a maturação rápida por conta das altas temperaturas. Para o economista da Apas, Thiago Berka, a redução foi pontual uma vez que a área cultivada caiu 8,4% e sem perspectiva de melhora. Desta forma, ele espera um aumento de 20% até 30% no primeiro trimestre, já que na segunda semana de janeiro a Ceagesp reportou aumentos de até 50% nos preços.

Cenoura - Com aumento de área plantio na safra de inverno e a rentabilidade alta pela subida dos preços do primeiro semestre, muitos produtores migraram para a produção da cenoura. Assim a oferta é positiva no primeiro trimestre e o aumento de preço deve ficar limitado em 10%, já que em fevereiro termina-se a safra e março é entressafra.

Batata – O tubérculo foi uma das vilãs de 2019, quando passou quase todo o ano com fortes aumentos. O preço no atacado bateu recordes chegando ao maior preço da série histórica desde 2012. Segundo Berka, as causas da produção ruim foram uma menor área e baixa qualidade, além dos produtores segurando produção para garantirem o máximo de preço.

Cebola – 2019 foi um ano em que o Brasil aumentou 81% as importações argentinas e União Europeia devido à forte queda da oferta nacional causado por conta da queda de 12% de redução de área de plantio. Os produtores comemoraram os preços maiores e muitos migraram para aumentar a área plantada. Com a colheita de safra no primeiro trimestre, o preço deve abaixar, mas ficar próximo de 6%.

Alface – A verdura está com preços estáveis e a colheita 2020 indica 12% de aumento de área de plantio, mesmo assim, o crescimento do preço é de até 9%.


Fonte: Apas

Comentários Facebook


Facebook


Newsletter


Inscreva-se no boletim informativo da Folha do ES para obter suas atualizações e novidades semanais diretamente em seu e-mail.

© 2020 Folha do ES. Todos os direitos reservados.