Folha do ES
Sex, 15 de Nov
LEIA PESQUISA

Home   Geral     Espírito Santo


Majeski indica que professores possam consumir os alimentos das escolas

Majeski indica que professores possam consumir os alimentos das escolas

Com a baixa remuneração, os profissionais do magistério que atuam na rede pública não conseguem, em grande parte, sobreviver com apenas um vínculo escolar.

  Por Redação

  24.outubro.2019 às 10:43

Os deputados estaduais aprovaram a Indicação 2.550/2019 do deputado Sergio Majeski (PSB), ao Governo do Estado, para que seja garantido aos professores e funcionários das escolas da Rede Estadual o direito de também consumirem os alimentos que, diariamente, são oferecidos aos alunos.

Atualmente os cerca de 16 mil professores e outros profissionais que atuam nas escolas estaduais, além de não poder se alimentar da merenda escolar, até são obrigados a pagar pelo mais simples cafezinho existente nas unidades.

“Essa indicação é para que o professor possa merendar na escola, caso assim queira. Quando comecei a dar aula na rede estadual, em 1985, era permitido. Para além do fato de que o salário do professor é muito ruim, ele ainda tem que pagar o próprio cafezinho que consome na escola. Lembrando que o cafezinho é de graça para servidores e visitantes da Assembleia, Judiciário, Ministério Público, Tribunal de Contas e nas secretarias e órgãos do governo. É fundamental que o PEDDE possa ser utilizado também para, no mínimo, custear o cafezinho de quem trabalha nas escolas”, destaca o deputado Majeski.

O PEDDE, mencionado por Majeski, é o Programa Estadual Dinheiro Direto na Escola, que tem como finalidade repassar recursos da Secretaria de Estado da Educação (Sedu) às escolas da rede. Em 2018 foram R$ 18,5 milhões e em 2019 já supera R$ 29 milhões.

Com a baixa remuneração, os profissionais do magistério que atuam na rede pública não conseguem, em grande parte, sobreviver com apenas um vínculo escolar. É comum professores trabalharem em dois turnos, das 7h às 11h45 e das 13h às 17h50, em escolas diferentes, onde o deslocamento quase sempre é feito por transporte público, principalmente na região da Grande Vitória, comprometendo a realização das principais refeições do dia.


Fonte: Folha do ES

Comentários Facebook


Facebook


Newsletter


Inscreva-se no boletim informativo da Folha do ES para obter suas atualizações e novidades semanais diretamente em seu e-mail.

© 2019 Folha do ES. Todos os direitos reservados.