Folha do ES
Ter, 26 de Out
HECI

Home   Judiciário     Espírito Santo


Presidente da AMUNES contrata seu próprio advogado pela entidade

Presidente da AMUNES contrata seu próprio advogado pela entidade

Abuso!

  Por Redação

  13.outubro.2021 às 12:01Atualizado em 13.outubro.2021 às 12:07

O Desembargador do Tribunal de Justiça do ES Robson Albanez vai decidir se o dinheiro público da AMUNES pode ser usado para fins particulares, sem observar o Regulamento de concorrência da entidade.

O Vereador de Vitória Armando Fontoura entrou com uma Ação Popular, pedindo a suspensão de dois contratos irregulares feitos pelo Prefeito de Cachoeiro e Presidente da AMUNES, Vitor Coelho.

Segundo o parlamentar, o dinheiro público dos municípios que abastece a entidade está servindo para atender a interesses privados de Coelho, que não cumpriu as normas internas e ocultou informações para direcionar as duas contratações. O município de Vitória é um dos maiores financiadores.

O descumprimento do Regulamento interno é tão gritante que o Presidente sequer publicou no site da entidade (www.amunes.org.br) a íntegra dos contratos e valores, como manda o artigo 5º da referida norma.

O Prefeito de Cachoeiro e Presidente da AMUNES simplesmente contratou sem concorrência nem publicidade o escritório de seu próprio advogado privado, Luciano Ceotto.

Vitor Coelho também contratou pela AMUNES uma empresa para prestar serviço de marketing eleitoral.

O contrato feito com seu advogado particular serve para cuidar de somente um processo judicial de valor irrisório, envolvendo discussão de conta de telefonia da entidade. O valor da causa é muito inferior ao do próprio contrato mensal de assessoria jurídica, de R$ 10 mil reais por mês, segundo fontes do jornal.

Ou seja, o advogado particular do Presidente cuida de suas ações privadas e agora recebe dinheiro público da AMUNES para cuidar de somente um processo sem complexidade, o que soa estranho e desarrazoado.

O contrato de marketing eleitoral também envolve interesses privados, relativo a estratégias de campanha eleitoral, o que é claramente fora de propósito e abusivo.

A ação popular do parlamentar da Capital comprova todas essas irregularidades e a violação frontal do "Regulamento de contratações" da AMUNES.

Tudo foi descoberto a partir de uma mensagem de WhatsApp de um operador de Vítor Coelho com o conteúdo de um dos contratos, enviada por engano ao advogado da FOLHA, Luciano Cortês, quando seria destinada para o advogado particular do Presidente da entidade Luciano Ceotto. No site da AMUNES, nada consta e jamais seriam descobertos.

Os dois contratos são novidades na entidade, que sempre funcionou satisfatoriamente sem essas contratações. Os prefeitos têm demonstrado incômodo com essas decisões.

Nos bastidores, eles comentam que o Presidente da AMUNES finge desconhecer que a entidade, embora seja pessoa jurídica de direito privado, é financiada diretamente com dinheiro público dos municípios, sendo esse o motivo pelo qual possui um "Regulamento de Contratações": para instituir um procedimento mínimo de concorrência, chamamento público, transparência, publicidade e isonomia.

Esse Regulamento impede subjetivismos, direcionamentos e falta de igualdade na escolha de um fornecedor, como ocorreu no caso desse dois contratos, de assessoria jurídica e marketing eleitoral.

O que parece é que não interessa ao Presidente da AMUNES que a divulgação desse contratos se tornem públicas, nem a forma como foram feitos. O próprio "Regulamento de Contratações" é praticamente impossível de se localizar no site da entidade.

Para isso, existe a liberdade de imprensa e o direito à informação, cabendo à FOLHA trazer à luz essas irregularidades custeadas com dinheiro público.

Com a palavra, o Desembargador do Tribunal de Justiça, Robson Luiz Albanez.


Fonte: FOLHA DO ES

Comentários Facebook


Facebook


Newsletter


Inscreva-se no boletim informativo da Folha do ES para obter suas atualizações e novidades semanais diretamente em seu e-mail.

© 2021 Folha do ES. Todos os direitos reservados.