Folha do ES
Qui, 8 de Dez
32 ANOS DA FOLHA DO ES

Home   Judiciário     Brasil


Justiça deve indenizar mãe que teve bebê em banheiro do HRSam

Justiça deve indenizar mãe que teve bebê em banheiro do HRSam

Estado foi condenado a pagar R$ 300 mil, a título de danos morais, à mãe e ao pai da criança, bem como ao bebê. Cabe recurso da decisão

  Por redação - HF

  06.setembro.2022 às 14:11

O Tribunal de Justiça do Distrito Federal e dos Territórios (TJDFT) condenou o Governo do Distrito Federal (GDF) a indenizar em R$ 300 mil, a título de danos morais, uma mãe cujo filho nasceu no banheiro do Hospital Regional de Samambaia (HRSam), em novembro de 2021.

No entendimento da juíza que analisou o caso, na 8ª Vara da Fazenda Pública, “houve falha na prestação do serviço, uma vez que, mesmo o caso sendo de urgência, houve negativa de atendimento”.

À época, a mãe estava na 39ª semana de gestação, quando começou a sentir contrações e acionou o Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu). No entanto, recebeu resposta de que o caso não era grave e que deveria ir ao hospital por meios próprios.

Acompanhada do marido, a gestante chegou de moto ao HRSam. No hospital, entrou em trabalho de parto. Porém, sem conseguir atendimento, o bebê nasceu no banheiro da unidade de saúde.

A cena foi filmada pelo pai da criança, que, junto da esposa, registrou boletim de ocorrência na 26ª Delegacia de Polícia (Samambaia Norte) e entrou com processo contra o Estado.

Na fase de defesa, o Distrito Federal argumentou que a negativa de atendimento do Samu ocorreu de maneira justificada, que a mãe recebeu a assistência necessária ao chegar ao hospital e que não houve indícios de falha.

Para a magistrada, contudo, as provas demonstram problemas na prestação do serviço. A juíza lembrou que o parto ocorreu no banheiro da recepção do hospital, após negativa de assistência do Samu e sem a imediata internação da gestante. Além disso, o prontuário médico informou que, à época, “não havia profissionais suficientes para o atendimento aos pacientes”.

A juíza entendeu que as situações vivenciadas pelos pais e pelo recém-nascido “indiscutivelmente caracterizam dano moral”.

“Verifica-se que os dois primeiros autores sofreram abalo psicológico em razão da falha na prestação do serviço, pois receberam a primeira negativa de atendimento do Samu, tiveram de se deslocar ao hospital de motocicleta quando a segunda autora (a mãe) estava com fortes contrações e, ao chegarem no hospital, não houve o atendimento tempestivo e adequado. Culminando, dessa forma, com a realização do parto dentro do banheiro da recepção. Depois, não foi permitido à segunda autora amamentar o filho, e o primeiro autor (o pai) não pôde ficar com eles. Já o terceiro autor (o bebê) nasceu em ambiente totalmente insalubre”, escreveu a juíza.

Por isso, a Justiça condenou o Distrito Federal a pagar a cada um dos três envolvidos no caso R$ 100 mil, a título de danos morais. Cabe recurso da decisão.



Fonte: Metrópoles

Comentários Facebook


Facebook


Newsletter


Inscreva-se no boletim informativo da Folha do ES para obter suas atualizações e novidades semanais diretamente em seu e-mail.

© 2022 Folha do ES. Todos os direitos reservados.