Folha do ES
Dom, 14 de Ago
Receitas cofril

Home   Judiciário     Espírito Santo


TCE suspende contratação de empresa para gerenciar frota de veículos na Prefeitura de Cachoeiro

TCE suspende contratação de empresa para gerenciar frota de veículos na Prefeitura de Cachoeiro

O Tribunal de Contas do Estado do Espírito Santo (TCE-ES) determinou a suspensão do Pregão Eletrônico da Prefeitura Municipal de Cachoeiro de Itapemirim

  Por Redação

  31.maio.2022 às 11:59

O Tribunal de Contas do Estado do Espírito Santo (TCE-ES) determinou a suspensão do Pregão Eletrônico da Prefeitura Municipal de Cachoeiro de Itapemirim para contratar uma empresa especializada no gerenciamento da frota municipal de veículos, máquinas e equipamentos, continuadamente, por possíveis irregularidades no edital.

O serviço de gerenciamento a ser realizado deve ser por sistema informatizado, englobando administração, controle e compreendendo a manutenção preventiva e corretiva, inclusive todas as peças necessárias para a execução dos serviços, por meio de rede credenciada, para atender as necessidades dos veículos, máquinas, tratores, ambulâncias, motocicletas, ônibus e equipamentos da prefeitura.

O processo trata-se de representação, formulada pela empresa Prime Consultoria que alegou fraude na disputa. Em síntese, afirma que o edital traz exigência ilegal e restritiva à competitividade ao vedar a cobrança de taxa superior a 6,30% entre a contratada e suas credenciadas, o que interferiria na relação comercial entre particulares e na livre concorrência.

Argumenta ainda que a administração limitar a taxa de administração em 0% seria totalmente ilegal para o objeto da licitação, tendo em vista que ofertar taxas negativas feriria o caráter competitivo do certame e o princípio da seleção da proposta mais vantajosa.

Em análise, com relação à taxa de 6,3% a área técnica traz a Lei 8666/93 (Lei das Licitações) em seu artigo 3º no inciso I, prevê que as licitações devem ser feitas sem exigências impertinentes ou irrelevantes, em relação ao objeto contratado.

Por isso, a condição contida no referido edital é conflitante com as disposições da mencionada legislação, por não guardar pertinência com o objeto contratado e interferir na relação jurídico contratual de terceiros, regidos pela lei civil. Traz ainda jurisprudência do Tribunal de Contas de São Paulo (TCE-SP) que firmou posicionamento nos mesmos termos.

Quanto aos responsáveis limitarem a taxa de administração em 0% constatou-se que, conforme o previsto no item 3.1 do termo de referência do edital, a Prefeitura estabeleceu 0% de taxa de administração a ser dela cobrada, não deixando claro se este percentual seria a mínima ou a máxima estabelecida. A área técnica pontuou o artigo 40, X, também da Lei de Licitações, onde é vedada a fixação de preços mínimos.

Sendo assim, não ficou claro no referido edital que a taxa de administração de 0% seria a taxa máxima a ser cobrada, mesmo que os responsáveis tenham afirmado em suas justificativas tratar-se de taxa máxima, e que não haveria impedimento de formalização de proposta com taxa negativa.

Assim sendo, o relatou acompanhou a fundamentação técnica, com relação às alegações apresentadas no recurso, e concedeu a cautelar.


Fonte: Opinião ES

Comentários Facebook


Facebook


Newsletter


Inscreva-se no boletim informativo da Folha do ES para obter suas atualizações e novidades semanais diretamente em seu e-mail.

© 2022 Folha do ES. Todos os direitos reservados.