Folha do ES
Ter, 20 de Nov
Black Friday Shopping Sul

Home     Judiciário


Condomínio do Itabira desafia Ministério Público e Justiça

Condomínio do Itabira desafia Ministério Público e Justiça

O MP já denunciou e a Justiça já acatou há anos a interdição da denominada Aldeia do Itabira, proibindo novas obras dentro da área de preservação ambiental. Mas, os crimes continuam sendo praticados com vendas de lotes e brotam novas residências. Com a palavra os promotores da área competente.

  Por Redação

  09.novembro.2018 às 08:00Atualizado em 09.novembro.2018 às 21:55

A continuar assim, parece que Cachoeiro de Itapemirim-ES é uma terra sem lei. A exemplo da não fiscalização e nem cumprimento de decisão judicial por parte da Condomínio Aldeia do Itabira, área rural de preservação ambiental que vem sendo saqueada por oportunistas na comercialização de lotes, lesando pessoas de boa fé.

A empresa ACM Construtura e Incorporações LTDA, dolosamente, aproveita-se da beleza ímpar da localidade, para ludibriar interessados em morar próximo ao maior ícone de Cachoeiro e do sul do Estado, às margens do Itabira. Os representantes dessa construtora omitem que a área prevista projetada para loteando está embargada pelo MP e Judiciário, configurando estelionato.

A Aldeia do Itabira é alvo de vários processos judiciais, justamente, porque está demarcada por ilegalidades. A marginalidade sobre o assunto vai além das vendas fraudulentas. Existem ações tramitando para descobrir o verdadeiro proprietário do local, que no passado já chegou a figurar como projeto denominado Parque do Itabira pelo Poder Público.

Neste momento, existem cortes em terrenos para novas construções dentro dessas vendas, ridicularizando a promotoria e o Poder Judiciário que , até presente momento, não se manifestou sobre essas ações de desobediência à ordem judicial.

Naturalmente, que esses crimes ambientais, sofrerão punição, principalmente a empresa ACM Construtora que está vendendo sonhos aos compradores, porém são pesadelos disfarçados.

O sócio da empresa citada, empresário Carlos Alexandre Marinho Manta, nunca assina os contratos que são subscritos por procuradores que deverão ser chamados para esclarecimento em caso do Ministério Público fazer valer as suas denúncias e a decisão judicial. Com isso, muitos ou todos compradores deverão buscar seus direitos de indenização na Justiça.

Corte de lote
Máquinas trabalhando

Fonte: folhadoes.com

Comentários Facebook


Facebook


Newsletter


Inscreva-se no boletim informativo da Folha do ES para obter suas atualizações e novidades semanais diretamente em seu e-mail.

© 2018 Folha do ES. Todos os direitos reservados.