Folha do ES
Seg, 6 de Jul
Cofril 02

Home   Política     Denúncia


Condenada por dar golpes é estagiária de Direito no gabinete de Assumção

Condenada por dar golpes é estagiária de Direito no gabinete de Assumção

Ela quer ser vice-prefeita de Cariacica . Elaine Alves da Silva, conhecida como Elaine Kohler, é cotada para ser candidata a vice-prefeita numa futura chapa encabeçada pelo diretor de Segurança da Assembleia Legislativa, Subtenente Assis. Ela usa as redes sociais para atacar o prefeito Juninho e o governador Casagrande.

  Por Elimar Cortes

  19.março.2020 às 11:13Atualizado em 19.março.2020 às 11:44

Cotada para ser candidata a vice-prefeita de Cariacica numa possível chapa encabeçada pelo diretor de Segurança da Assembleia Legislativa, Sérgio de Assis Lopes, o Subtenente Assis (PSL), Elaine Alves da Silva, conhecida como Elaine Kohler, foi condenada em 2012 pela acusação de estelionato. Atualmente recuperada, ela está lotada no Gabinete do deputado estadual Capitão Assumção como estagiária de Direita. Pelo cargo, ela recebe mensalmente ajuda de custo de R$ 979,21 da Assembleia Legislativa.

Nas redes sociais, Elaine é uma das internautas que mais atacam o prefeito de Cariacica, Juninho (Cidadania), e a governador Renato Casagrande. Rasga elogios ao Subtenente Assis, pré-candidato a prefeito de Cariacica nas eleições de outubro de 2020. Assis é pré-candidato a prefeito.

Nas redes sociais, Elaine criou um grupo chamado “Grita, Cariacica”, em que se apresenta como salvadora de problemas enfrentados pelo município. Nas postagens, ela ataca o prefeito Juninho e vive dizendo que a segurança pública do Espírito Santo “está em crise”.

No dia 11 de julho de 2012. Elaine Alves da Silva, a Elaine Kohler, foi condenada pela juíza Simone de Oliveira Cordeiro, da 3ª Vara Criminal de Cariacica, pela acusação de dar golpes no comércio local. Elaine foi condenada junto com seus parceiros: Carlos Alberto Lopes Gonçalves e Cleidiane Simão Barreto.

Narra a sentença nos autos de número 0000716-53.2009.8.08.0021 que os réus, “de forma consciente, voluntária, em comunhão de vontades e relevância de condutas obtiveram vantagem ilícita em prejuízo alheio, induzindo diversos estabelecimentos comerciais a erro, mediante ardil e meios fraudulentos, ao se passarem por pessoas que não eram, utilizando de diversos documentos falsos para obterem cheques e cartões bancários com os quais realizavam diversas compras em estabelecimentos comerciais.”

Prossegue a sentença: “Consta nos autos que em todos os estelionatos praticados nos comércios de Guarapari foi utilizado o mesmo método criminoso, a saber: com os diversos documentos, tais como CPF, RG, CNH, comprovante de renda, de endereço e etc., todos falsificados pelos denunciados no Estado do Rio de Janeiro, eles se dirigiram a estabelecimentos bancários e a estabelecimento de cartões de crédito e utilizando referidos documentos falsos se faziam passar por pessoas diversas para obterem a abertura de contas bancárias, cheques e cartões de crédito, com os quais realizam compras.”

Para realizarem o crime, “o denunciado CARLOS ALBERTO, que era o mentor intelectual dos golpes, promovendo, organizando e dirigindo atividades criminosas, prestava auxílio material em todos os crimes, posto que era quem cedia os documentos falsos e levava as denunciadas até as lojas vítimas, onde eram efetuadas diversas compras mediante o método acima descrito.”

Apurou-se que no dia 29 de janeiro de 2009, as denunciadas Elaine Alves da Silva e Cleidilane Simão Barreto efetuaram compras no valor de R$ 1.341,90 na loja Salese induzindo a erro a funcionária…, ao emitirem dois cheques pré-datados do banco CEF, um no valor de R$ 670,95 e outro no valor de R$ 670,95 de titularidade de Elaine Cristina Alves Pereira (vide fls. 47/48). Na tarde de 04 de fevereiro de 2009, as denunciadas Elaine Alves e Cleidilane, com liame subjetivo efetuaram compras no valor de R$ 342,00 na lojas Fatto’s, induzindo a erro a funcionária… a emitirem do banco Bradesco de titularidade de…Ato contínuo, as denunciadas, utilizando o mesmo modo de operação adentraram na loja cosméticos Belíssima e induzindo a erro a funcionaria , tentaram adquirir diversos produtos, não conseguindo por circunstâncias alheias a sua vontade, consistentes no fato da vendedora consultar os cheques e constatar que se tratava de conta bancária encerrada.

Neste mesmo dia as denunciadas se dirigiram à loja Espaço Original e efetuaram a compra de diversas peças de vestuário, emitindo dois cheques do banco Bradesco de titularidade de C.V.M.C., totalizando R$ 1.184,43, sendo um no valor de R$ 592,34 e o outro no valor de R$ 592,00. Desconfiada da procedência dos cheques a gerente C.G.V.W. se dirigiu a agência bancária onde foi informada que os cheques não tinham provisão de fundos, pois a conta estava encerrada.

Consta nos autos que o denunciado Carlos Alberto na companhia das denunciadas realizou compras na loja Itapuã, Centro desta Cidade, que totalizaram R$ 398,88, sendo que uma parte foi paga a vista e outra parte financiada utilizando nome de C.. Por volta das 15:00 horas de 4 de fevereiro de 2009, ao serem abordados no interior do veículo Ford Eco Sport pela Polícia Militar o denunciado Carlos Alberto apresentou uma carteira de identidade com o nome de Carlos Roberto Mattos Sardemberg, a denunciada Elaine Alves da Silva estava na posse de uma habilitação em nome de Elaine Alves Borges e a denunciada Cledilane apresentou uma habilitação em nome de Cleide Vitória Macedo Chavier, todos documentos falsos.(…).”

Elaine e seus cúmplices chegaram a ser presos, mas tiveram a prisão relaxada pela Justiça posteriormente. Elaine foi condenada a um ano e quatro meses de reclusão.

“Diante das circunstâncias analisadas nos termos do art. 59 do CPB indicarem que a substituição da pena privativa de liberdade pela restritiva de direitos e multa é suficiente, e não sendo a pena superior a quatro anos, reconheço o benefício em favor dos acusados e determino a substituição da pena privativa de liberdade atribuída ao delito pelas penas restritivas de direitos prevista no art. 45 do CP – prestação pecuniária consistente no pagamento de 1 (um) salário mínimo em benefício de entidade beneficente, a ser determinada pela Vara de Execuções Penais e art. 46, também do CP – prestação de serviços à comunidade ou a entidades pública -, com fulcro no art. 44 do mesmo diploma legal, em atribuição que lhes sejam determinadas, na Vara de Execução competente, de acordo com suas potencialidades e qualificações”, sentenciou a juíza Simone Cordeiro.

No dia 17 de fevereiro de 2020, a sentenciada Elaine Kohler foi ao Facebook criticar o ministro Luiz Fux, do Supremo Tribunal Federal, e o governador Renato Casagrande. Ironicamente, a moça condenada pela acusação de dar golpes, defendeu greve dos policiais militares:

“Agora eu quero ver, Ministro do STF Luiz Fux e o governador Big House, estão armando para cabeça do povo novamemte, quando eles testam no mais alto nível de paciência as duas maiores classes de trabalhadores, de um lado, vemos os caminhoneiros autônomos brigando pelo teto mínimo de frete, que este mesmo ministro pensa em julgar um ato inconstitucional, rsrs isso vai dar um rebuliço… já existe uma movimentação em torno de uma possível greve, eles também entraram na briga pela redução do imposto sobre os combustíveis, do outro lado, vemos os policiais nessa queda de braço com o governo por reposição salarial que foi algo prometido a eles, éeeeee,, esses que nos administram estão brincando com fogo hein, depois não digam que não foi avisado!!!! Quero só ver gente aí culpando o presidente Bolsonaro, quer apostar?”


Fonte: Blog do Elimar Côrtes

Comentários Facebook


Facebook


Newsletter


Inscreva-se no boletim informativo da Folha do ES para obter suas atualizações e novidades semanais diretamente em seu e-mail.

© 2020 Folha do ES. Todos os direitos reservados.